Hoje é um dia especial para a Boeing, ela está completando 100 anos de idade, seu famoso centenário. A sua história é recheada de evolução em todos os setores de aviação e até mesmo com uma grande participação no setor aeroespacial, sim, a Boeing ajudou na ida do homem até a Lua.

O início da Boeing foi no dia 15 de julho de 2016, com nome de Pacific Aero Products Co, fundada por William E. Boeing, um mês após William realizar um voo com a aeronave B&W Seaplane. Logo mais, em 1917, a empresa iria adquirir o nome Boeing.

William E. Boeing.
William E. Boeing.

A Boeing também deu origem a United Airlines, que ganhou esse nome após um pedido de “desvinculação” feito pela justiça americana na década de 30, que acusava a Boeing de monopólio no mercado de aeronaves, anteriormente a United já foi conhecida como Boeing Air Transport (Veja mais dessa história clicando aqui).

O pioneirismo da Boeing na construção de aviões com finalidade militar, fez a empresa ganhar destaque em meio ao cenário de guerra, os seus dois bombardeiros, B-17 e B-29, fizeram muito sucesso na Força Aérea Americana, devido a robustez e funcionalidade.

A primeira aeronave pressurizada também foi da Boeing, o 307, destinado ao transporte de passageiros. Durante a década de 30 e 40 a Boeing ganhou muito valor de mercado, por conta do crescimento exponencial nas encomendas, e consequentemente nas vendas, em 1944 a Boeing produzia 350 aeronaves por mês para suprir a demanda gerada pela guerra.

William E. Boeing visitando o primeiro 707.
William E. Boeing visitando o primeiro 707.

Para não sofrer com as duras consequências do pós-guerra, a Boeing inovou ao criar uma aeronave bem versátil para reabastecimento aéreo, o KC-97, que foi derivado do 377, um projeto que não fez tanto sucesso. No mesmo período a Boeing vislumbrou uma oportunidade de criar aeronaves com motor a jato, e assim nasceu no início da década de 50 o bombardeiro B-52, e o 367-80, este último gerou o Boeing 707, uma aeronave de grande sucesso comercial, e o KC-135, um reabastecedor aéreo de uso militar.

A Boeing também era um grande produtor de motores na década de 50 e 60, porém não era para uso aeronáutico.

Na década de 60 a Boeing já tinha mania de grandeza, criou o helicóptero CH-47 Chinook, o mais rápido de sua época, um dos maiores e totalmente adequado para o pesado uso militar, fabricado até os dias atuais. Na mesma década a Boeing iniciou o projeto do Boeing 747, uma aeronave muito famosa em todo mundo, e após uma quantidade enorme de variantes, a Boeing ainda continua produzindo a aeronave na atualidade, que é conhecida como 747-8.

Só foi possível com o primeiro estágio produzido pela Boeing.
Só foi possível com o primeiro estágio produzido pela Boeing.

No mesmo período a Boeing atuou em vários setores, ela produziu o primeiro estágio do foguete Saturn V, responsável por levar o homem até a Lua, e colaborou com alguns projetos da NASA. A Boeing também produziu alguns navios no período. O 727 e o 737 surgiram na década de 60, como uma resposta a solicitação de uma aeronave menor que o 707 para cumprir voos regionais, o projeto do 737 perdura até a atualidade, mesmo com as diversas atualizações que ele ganhou.

Na década de 70 a Boeing ainda trabalhava em seu projeto supersônico, o 2707, porém esse foi suspenso por causa do corte de verba do governo americano, que até então financiava o desenvolvimento da aeronave. Foi uma época de extensa crise para a Boeing, mas que apesar disso continuou pesquisando formas de inovar no mercado aeronáutico.

No período seguinte a Boeing dedicou-se na criação das aeronaves 757, 767 e 777, que foram os produtos que mudaram a forma com que as empresas projetavam seus aviões, a grande eficiência do projeto bimotor direcionou todos os aviões para a mesma filosofia. A Boeing também colaborou com o projeto da Space Shuttle e a ISS (Estação Espacial Internacional), além de ajudar a Northrop na construção do bombardeiro B-2.

Na década de 90 a Boeing adquiriu a McDonnell Douglas, um grande conglomerado do setor aeronáutico/aeroespacial, e com isso a Boeing herdou diversos projetos e produtos da McDonnell. No mesmo tempo a Boeing criou o 717, uma versão do MD 95 com atualizações, entregou a primeira unidade do Boeing 747-400 em 1989, e a do 737NG em 1998.

Em 1996 a Boeing adquiriu a Rockwell Defense and Aerospace, pouco tempo antes de se unir com a McDonnell Douglas. A Boeing não parou por aí, no início do novo milênio comprou a Hughes Electronics, uma empresa pioneira no setor aeroespacial.

787, mudou o conceito da sua categoria. Foto - Boeing
787, mudou o conceito da sua categoria. Foto – Boeing

A Boeing continuou o avanço de seu trabalho nos anos 2000, as novas versões do 777 praticamente dominaram o mercado de aeronaves com grande alcance, devido a eficiência do projeto com dois motores. Logo a Boeing anunciou o projeto 7E7, que na verdade é o 787, com grande sucesso e muito inovador, pela primeira vez uma aeronave de passageiros com aquele tamanho iria ganhar uma estrutura toda em materiais compostos, além de uma nova geração de motores.

O centenário da Boeing criou vários movimentos para explicar a sua história, entre eles está:

  • O Projeto Aeroespacial (Age of Aerospace): A série documental narra a história aeroespacial através da evolução da Boeing e suas empresas históricas. A série está sendo exibida globalmente em mais de 18 idiomas. No Brasil, ela foi veiculada pelo Discovery Channel. Todos os cinco episódios que compõem Projeto Aeroespacial e mais detalhes sobre as contribuições da Boeing para o desenvolvimento dessa indústria estão disponíveis em www.theageofaerospace.com.br.
  • O Aplicativo Innovations: O aplicativo Boeing Innovations, disponível no iTunes e Google Play, coloca os produtos de ponta da Boeing na palma da sua mão com modelos 3D interativos e recursos importantes de cada produto.
  • 100 dias de Aprendizagem (100 Days of Learning): Começando hoje, 15 de julho, esta campanha educativa visa inspirar a próxima geração de visionários do setor aeroespacial, proporcionando a professores e alunos recursos educacionais gratuitos que foram criados em conjunto pelos engenheiros da Boeing e importantes provedores de conteúdo educacional. (http://www.boeing.com/principles/education/100-days.page)
  • Exibição de Aeronaves: A histórica linha dos famosos aviões da Série 7 da Boeing e uma exposição estática de aeronaves históricas farão parte da celebração de fim de semana do Founders Day (Dia dos Fundadores) para os funcionários em Puget Sound, perto do berço da empresa. Outros destaques incluem um show de luzes projetadas sobre o corpo de um 747 e um festival no Museum of Flight (Museu do Voo).
  • Acima e Além (Above and Beyond): A exposição interativa educacional sobre voo e espaço será aberta hoje em Nagoya, no Japão, simultaneamente com Londres, no Reino Unido, e Seattle, nos Estados Unidos. Desde o seu lançamento em julho de 2015, a exposição recebeu quase 3 milhões de visitantes. (http://aboveandbeyondexhibition.com)
  • O Pavilhão de Experiência Centenária (Centennial Experience Pavilion): A exposição que conta a história de inovação do passado, presente e futuro da Boeing será aberta ao público durante o Farnborough International Airshow neste fim de semana (16 e 17 de julho) nos arredores de Londres.
  • Cerimônia de Toque do Sino na Bolsa de Valores de Nova York: Vinte funcionários vão tocar o sino de abertura do pregão da Bolsa de Nova York (NYSE) às 9h30 no horário local, 10h30 de Brasília. Eles representam as várias gerações de famílias que trabalharam na empresa ao longo dos anos.

Alguns projetos de sucesso da Boeing: o 707; os jatos Douglas DC jets, Douglas World Cruiser, C-47 Skytrain e A-4 Skyhawk; o norte americano B-25 Mitchell, P-51 Mustang, F-86 Sabre, F-100 Super Sabre, B-1B Lancer e X-15; o McDonnell F-4 Phantom II, McDonnell Douglas F-15 Eagle, C-17 Globemaster III e F/A-18 Hornet; o CH-47 Chinook, AH-64 Apache e V-22 Osprey; o B-17 Flying Fortress, B-29 Superfortress, B-47 Stratojet, B-52 Stratofortress e KC-135 Stratotanker; os foguetes Saturn e Delta, e Gemini, Mercury, Apollo, Space Shuttle e a Estação Espacial Internacional.

Como a maior empresa em volume de exportações dos Estados Unidos, a Boeing oferece suporte para companhias aéreas e para clientes governamentais e aliados em mais de 150 países. Os produtos e serviços da Boeing feitos sob medida incluem aviões comerciais e militares, satélites, armas, sistemas eletrônicos e de defesa, sistemas de lançamento, sistemas de informação e comunicação avançados e logística e treinamento baseados em desempenho.

Hoje a Boeing emprega aproximadamente 160000 pessoas em todo o território norte-americano e em mais de 65 países. E fatura cerca de US$ 96 bilhões por ano.

Este é um breve resumo da história da Boeing e sua situação atual, desfazer uma empresa com o seu tamanho seria bastante difícil, e para contar toda a sua história, e em tudo que já atuou no ramo aeronáutico/aeroespacial provavelmente usaríamos 1000 páginas de um livro escrito. A sua importância para o mundo atual é notória, e sua inovação gerou um leque de novos produtos para o mundo aeronáutico.

 

“Um detalhe esquecido pode resultar em muitas decisões erradas”. (William E. Boeing)

 

Provavelmente é o vídeo mais inspirador que já vi, Não Sonhe Pequeno:

centenário boeing

A Aeroflap está comemorando de um jeito especial, todos os dias desta semana estamos postando em nossa página no Facebook diversas aeronaves da Boeing, corra lá e confira.

COMPARTILHAR