A Embraer foi convidada pela USAF (Força Aérea Americana) para participar de um evento que consiste em demonstrações de aeronaves de ataque leve. A aposta da fabricante brasileira é atualmente o melhor equipamento de defesa e ataque leve da empresa, o A29 Super Tucano. O evento ocorrerá na Base Aérea de Holloman, no Novo México, EUA, no mês de julho.

Porém a Embraer não estará sozinha no evento e terá como parceira a Sierra Nevada Corporation (SCN), empresa que produz o A29 no estado norte-americano da Flórida.

Foto – USAF/Reprodução

A demonstração tem como objetivo escolher uma nova aeronave de baixo custo e treinamento para os novos e futuros pilotos da USAF, o progrma tem o nome de “OA-X”, além de serem empregadas em missões de ataque leve.

Não é a primeira vez que os EUA têm interesse na aeronave brasileira. Os A29 montados na Florida pela SNC foram entregues para a Força Aérea do Afeganistão, o que demosntra o reconhecimento da Embraer no setor de defesa em nível internacional. Há também negociações com as forças do Líbano e Nigéria.

Foto – USAF/Reprodução

As exisgências da USAF para a aeronave que venha vencer a demonstração do programa OA-X não são poucas, além de conseguirem cumprir missões de ataque e reconhecimento armado, devem estar prontas para operar cerca de 900 horas de voo por ano, isso por 10 anos.

Mas de acordo com o CEO da Embraer Defesa e Segurança, o A29 cumpre perfeitamente as exigências impostas pela Força Aérea Americana, resultado disso são as 11 nações que operam o caça leve fora o Brasil. Além do A29, estão no programa OA-X o monomotor turbohélice de fabricação americana Beechcraft AT-6 “Wolverine” e o jato Textron Scorpion. Porém apenas o A-29 é certificado para operar na USAF, o que leva várias vantagens para o Super Tucano em relação aos outros dois concorrentes.

This post is available in: pt-brPortuguês