A Aeromexico está negociando com a Delta Airlines o aluguel de uma parte das aeronaves que a companhia americana encomendou da linha CSeries da Bombardier. Essa parceria é possível por causa da participação de 49% que a companhia americana tem na Aeromexico.

A finalidade é evitar possíveis encargos tributários dos EUA em relação à Delta, dessa forma a tradicional companhia mexicana pode optar por alugar parte desses aviões, e livrar a Delta de pagar altos impostos aos EUA.

A Delta tem 75 encomendas para o CS100, com entregas a partir de 2018, com mais 50 opções de compra.

E190-E2 da Embraer. Foto – Embraer

Apesar dessa manobra da Delta, a Aeromexico ainda por optar por aviões da Embraer, para renovar sua frota regional, visto que também recebeu uma proposta da fabricante brasileira e agora está avaliando as condições antes de fechar um contrato.

 

Subsídios e Impostos

Anteriormente o Governo Americano taxou em 300% a linha de aviões CSeries da Bombardier, como imposto de importação, após a fabricante canadense vender aviões abaixo do preço de produção para a Delta Airlines, a Boeing juntamente com o Governo dos EUA abriram um processo na OMC (Organização Mundial do Comércio) contra a Bombardier, a Embraer também está apoiando o Governo Brasileiro em outro processo aberto na OMC, os dois citam os subsídios estatais em uma empresa privada (Bombardier), algo proibido para o comércio entre países.

Ainda na linha do Governo Americano, o relatório entregue demonstra que a Bombardier se beneficiou com US $ 2,5 bilhões em injeção de capital através do governo de Ottawa, quase US $ 500 milhões de ajuda para realizar o lançamento do CSeries e pelo menos US $ 1,6 bilhão em outros subsídios. No mesmo período a Bombardier estava amagada em prejuízos financeiros, pela complexidade de desenvolver a família CSeries.

O projeto do CSeries era para custar apenas 1 bilhão de dólares americanos, isso para desenvolver e certificar o avião. Mas todo esse processo já acumulava o valor de 5 bilhões de dólares americanos no final de 2016.

Logo o governo americano demonstrar que iria taxar o CSeries em 300%, a Airbus comprou uma participação de 50,01% com um valor irrisório, e prometeu usar sua linha de montagem no Alabama (EUA) para contornar esse imposto de importação e conseguir vender os aviões para a Delta.

Espera-se que o Departamento de Comércio dos EUA decida no início de 2018 se vai aplicar ou não um imposto adicional para os aviões CSeries.

 

Via – Reuters

 

This post is available in: pt-brPortuguês