O Aeroporto de São José dos Campos/Professor Urbano Ernesto Stumpf, em São Paulo (SP), completa 77 anos nesta quinta-feira (5/1).

Com capacidade para receber 2,7 milhões de passageiros ao ano, o terminal é administrado pela Infraero desde 1996 e compartilhado com a Embraer e com o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), do Comando da Aeronáutica, que utilizam a infraestrutura de pista para a realização de voos de ensaio e de produção de novas aeronaves.

Instalado a 8 quilômetros do centro da cidade e a cerca de 90 km do centro da capital paulista, o aeroporto tem participação importante no crescimento da região e conta com duas vocações: a cargueira, que atende ao grande número de indústrias do Vale do Paraíba, Litoral Norte e do Cone Leste Paulista, e a turística, em especial pela proximidade com o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, as cidades da Serra da Mantiqueira – como Campos do Jordão -, e com os municípios do litoral norte do estado, como Ilhabela, São Sebastião, Caraguatatuba e Ubatuba, além de Parati e Angra dos Reis, no litoral sul fluminense.

Em 2014, a Infraero entregou uma série de melhorias no terminal paulista. Com investimentos de cerca de R$ 20 milhões, a área do terminal de passageiros passou de 864 m² para 5,9 mil m². Os serviços compreenderam também um novo saguão de passageiros, balcões de check-in, sanitários, reservatório de água, estação elevatória de esgoto e subestações de energia elétrica.

“Conforto, infraestrutura e profissionais capacitados são qualidades oferecidas no Aeroporto de São José dos Campos. Com a ampliação do terminal de passageiros, a Infraero vem trabalhando junto às companhias aéreas para que o aeroporto possa retomar as operações de voos regulares”, pontua o gerente de Gestão Operacional e Segurança Aeroportuária Marcelo Rodolfo Silva.

O nome do terminal é uma homenagem ao coronel-aviador, engenheiro aeronáutico e professor Urbano Ernesto Stumpf. Conhecido como o “pai do motor a álcool”, Stumpf formou-se engenheiro aeronáutico na primeira turma do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) em 1950. De 1951 a 1957 compôs o corpo docente do instituto, orientando, entre outras, pesquisas com álcool como combustível. Urbano Stumpf faleceu em 1998, com 82 anos.

COMPARTILHAR