A Airbus e a Boeing, as duas maiores do segmento de aviação comercial, devem fabricar cerca de 1600 aviões em 2018. Isso representa um crescimento de 8% na produção em comparação com 2017, quando as duas empresas fabricaram 1481 aeronaves.

Esse é o maior crescimento na produção de aeronaves desde 2012, quando as empresas aumentaram sua produção em comparação com 2010 e 2011. Cerca de 1200 aeronaves serão das famílias A320ceo/neo e 737 NG/MAX.

Em 2018 a Boeing vai produzir cerca de 815 aviões, boa parte do aumento em relação a 2017, quando a empresa fez 763 entregas, é devido ao maior número de aviões da família 737 produzidos, além de um aumento na sólida produção do 787 Dreamliner, que agora conta com o 787-10.

Montagem de Aeronaves A320 no Alabama – EUA. Foto – Airbus

Já a Airbus enfrenta um período de transição para suas famílias de aeronaves, mesmo com três linhas de montagem para a família A320, a produção não deve ser extremamente alta. Além disso a Airbus está iniciando a fabricação em série do A330neo, e aumentando aos poucos a produção do A350XWB.

Apesar disso a Airbus vai saltar de 718 aeronaves produzidas para quase 800, um incremento maior, em comparação com a Boeing.

A Airbus deverá passar a Boeing em número de aeronaves produzidas em 2020, quando já estiver vigorando a produção de 60 aeronaves da família A320 por mês. Para isso a Airbus planeja aumentar seus centros de montagem final em Toulouse e na China. Por enquanto a fabricante já ultrapassou a Boeing em número de encomendas recebidas.

 

This post is available in: pt-brPortuguês