Muitos podem não concordar, mas as estatísticas são precisas, 2017 foi o ano mais seguro para a Aviação Comercial.

Pelo menos isso é de acordo com dados divulgados pela Aviation Safety Network (ASN), uma organização que registra os acidentes da aviação à nível global. 



Em 2017 só 10 acidentes fatais foram registrados, sendo 5 com aviões cargueiros e 5 com aviões de passageiros, gerando infelizmente um total de 44 mortes. Para efeito de comparação, em 2016 foram registrados 16 acidentes, com 303 mortes, nesse mesmo ano o acidente com o time da Chapecoense, causado por pilotos da Lamia, foi decisivo para essa estatística ruim.

Já em 2017 o pior acidente matou mais pessoas em solo, foi com um cargueiro Boeing 747 da Turkish Airlines. Cerca de 43 casas e prédios foram destruídos com o impacto da aeronave, no avião havia somente 5 tripulantes que morreram na queda, já em solo 35 pessoas morreram com a queda.

Apesar disso 2017 foi um dos anos mais seguros na aviação, não houve nenhum acidente com grande número de mortes, o último foi justamente o da Lamia, no final de 2016. Foram 398 dias sem um acidente de grande proporção.

Houve um acidente para cada 7.630.000 voos, ao todo a ASN disse que houve mais de 36.800.000 voos em 2017. Houve uma fatalidade para cada 900 milhões transportados.

Dessa forma a indústria da aviação comercial continua ampliando seus índices de segurança, voar hoje é 20 vezes mais seguro, em comparação com 20 anos atrás.

Acidente na definição da aviação é toda situação que gera mortes, o contrário na aviação é considerado um incidente, mesmo quando há feridos.

A pesquisa de segurança da ASN exclui, na parte de passageiros, operações com aeronaves de motor a pistão, helicópteros ou aeronaves a jato ou turboélice com menos de 14 assentos, bem como a variante cargueira desses aviões.