A Boeing participou novamente do Dubai Airshow, e mesmo com a distância, levou muitas aeronaves para exposição. A batalha mais dura foi novamente contra a Airbus, com preferência direta das companhias da região por aviões da Boeing, a fabricante europeia ganhou no valor total vendido, mas por conta das empresas de leasing e companhia dos EUA e da Europa.

O primeiro dia do Dubai Airshow já iniciou com uma encomenda para 40 aviões 787-10, através da Emirates, que decidiu pelo aparelho da Boeing, depois de cancelar uma encomenda que tinha com a Airbus para o A350-900. Essa encomenda pode ser cotada por até US$ 15,1 bilhões, com entregas começando em 2022.



Logo após a companhia aérea parceira da Emirates, a flyDubai, assinou um contrato para 225 aviões da família 737 MAX, representando um contrato que pode atingir até US$ 27 bilhões. Esse é a maior encomenda única recebida pela Boeing a partir de uma companhia aérea do Oriente Médio.

Nesses 225 aviões encomendados está embutido um contrato anterior da flyDubai para comprar 76 aeronaves desse modelo, que foi realizado na edição de 2013 do Dubai Airshow. O avião será propulsionado pelo motor CFM Leap-1B, opção padrão para o 737 MAX.

A Egyptair optou por encomendar seis Boeing 787-9 Dreamliner, através de um contrato de Leasing Operacional com a AerCap. A companhia usará essa aeronave para modernizar sua frota, que hoje é composta por aviões da família Boeing 737 e 777.

A Ethiopian Airlines/Cargo preferiu encomendar cargueiros, no total 4 aviões Boeing 777F, uma variante derivada do 777-200LR. O preço desse contrato firmado é de US$ 1,3 bilhão, quando avaliado em preço divulgado na lista da Boeing. O avião é capaz de transportar 112 toneladas por 9.070 quilômetros. A companhia já opera com seis 777F e dois 757F.

A Azerbaijan Airlines preferiu encomendar o 787-8, em um contrato para cinco encomendas fixas avaliado em US$ 1,9 bilhão, além disso ela incluiu uma carta de intenção para dois cargueiros e um contrato de intercâmbio para ensinar seus mecânicos a substituir um trem de pouso, sem precisar de auxílio da divisão de manutenção da Boeing.

No último dia do evento, a Boeing assinou um acordo de compra com a SCAT Airlines do Cazaquistão para a compra de 6 Boeing 737 MAX 8. Esse acordo é avaliado em US$ 674 milhões.

No final a Boeing saiu com US$ 47,6 bilhões em encomendas, e com mais 286 aeronaves na carteira de pedido, a maioria delas fixas, que preveem o pagamento de multa caso a companhia aérea decida cancelar esses pedidos.

Já a Airbus conseguiu um número maior de aeronaves encomendadas, 510 no total, mas somou apenas US$ 58,3 bilhões, em vários contratos que são em maioria interesses de compra, e não algo fixo. Você pode conferir o desempenho da Airbus Clicando Aqui.