A Boeing relatou que lançará oficialmente o 737 MAX 10 no primeiro dia do Paris Air Show, que começa amanhã, 19 de junho. O evento que irá se estender até o dia 25 carrega muitas novidades, incluindo o novo Airbus A380 Plus.

Apesar disso a Boeing não revelará qual o será o cliente de lançamento da aeronave, o evento de amanhã será fechado para a imprensa. A fabricante americana apresentará uma estimativa e as 100 prováveis encomendas iniciais. A mídia internacional já está repassando que o cliente de lançamento seja a empresa de aluguel de aeronaves China Aircraft Leasing Group Holdings, seguido por um pedido da Lion Air e da Spice Jet.

Negociações anteriores com a Ryanair também podem resultar no anúncio de um grande pedido da gigante Low Cost europeia em breve.

O presidente e CEO do Boeing Commercial Airplanes , Kevin McAllister, disse: “O avião parece ótimo. Nós temos muitos clientes interessados”. Falando na véspera do Paris Air Show, a McAllister disse que “os clientes nos disseram que eles queriam que ele fosse maior e este avião oferece a oportunidade de colocar até 230 assentos”.

Segundo a Boeing o novo 737 MAX 10 teria 1,68 metros a mais do que o MAX 9, e está planejado para operar com o mesmo motor que equipará o 737 MAX 9, inclusive com o mesmo empuxo (28 mil lbs). A Boeing assumiu que mudará o trem de pouso para acomodar a fuselagem com maior tamanho e evitar problemas operacionais, como o tailstrike.

Mudar o trem de pouso no Boeing 737 MAX é um grande problema, o compartimento atual está no limite de engenharia do 737 MAX, para isso a Boeing precisou testar várias configurações para definir qual têm a maior confiabilidade e custo/benefício para essa nova aeronave da família 737, a escolhida foi aumentar o curso do amortecedor do trem de pouso, assim a aeronave ganha esse aumento sem alterar a engenharia interna.

Com esse aumento de 2 seções na fuselagem a Boeing seria capaz de adicionar mais 2 fileiras de assentos em classe econômica, dessa forma a anterior capacidade máxima do 737 MAX 9 para 220 passageiros, passaria para 230 passageiros, ou 189 passageiros em duas classes no 737 MAX 10, sendo que o A321neo transporta 193 na mesma configuração.

A Boeing afirma que com essa configuração a aeronave pode ter o custo por assento até 8% em comparação com o concorrente, ideal para as companhias aéreas Low Cost que tem altos índices de ocupação dos assentos por voo. O investimento total no 737 MAX 10 situa entre 1 a 2 bilhões de dólares, de acordo com especialistas da área.

 

Projeto MOM

A Boeing também confirmou que planeja apresentar as características iniciais do projeto MOM nesta semana em Paris. O projeto chamado internamente de middle-of-the-market (MOM) terá uma capacidade para transportar de 200 a 270 passageiros com divisão de dois corredores, sendo mais leve que o Boeing 787, com um alcance na faixa de 7200 km a 9600 km.

A Rolls Royce já demonstrou interesse pelo projeto, apresentando sua tecnologia Ultra Fan, que está sendo desenvolvida e pode ser aplicada para a faixa de impulso entre empuxo entre 40000 e 50000 libras. A Boeing já considera um projeto de fuselagem oval, com espaço para 2 corredores e tamanho menor do que a encontrada no 787, o material será baseado nas novas tecnologias de compostos, as quais a Boeing aplicou no 787 para reduzir o peso geral.

A Boeing introduzirá sua aeronave no mercado de aviação somente em 2025, enquanto o 737 MAX 10 fará seu primeiro voo comercial até 2020. O lançamento do 737 MAX 10 servirá para preencher uma lacuna de mercado o qual a Boeing não atende atualmente, e que resultou nas altas encomendas para o A321neo.

 

Via – Aviation Week

This post is available in: pt-brPortuguês