Anteriormente a Bombardier apresentou juntamente com a Airbus uma proposta de montar uma linha de montagem do CSeries no Alabama (EUA), onde hoje a Airbus tem um Centro de Engenharia e montagem final do A320.

Montar o CSeries nos Estados Unidos era uma forma de cortar o imposto de importação na época do anúncio, quando os EUA queriam taxar o avião em 292%. Mas o Departamento de Comércio dos EUA negou esse imposto, e agora a Bombardier pode vender seu avião nos EUA sem pagar uma grande sobretaxa, mesmo sendo produzido no Canadá.

Livre para vender seu jato sem imposto nos EUA, a Bombardier agora avalia o risco de montar uma nova linha de fabricação, mas agora em outro país.

O investimento em uma nova linha de fabricação seria na ordem de bilhões, para a produção de uma pequena quantidade de aviões por mês. Além disso a Bombardier ainda vai demorar para conseguir iniciar a produção nos EUA, em uma declaração anterior da Airbus, sua sócia no programa CSeries, a empresa disse que uma linha de montagem final leva até 2 anos para ser construída.

E para piorar a Bombardier ainda está resolvendo problemas de fabricação no Canadá. A fabricante não conseguirá entregar os jatos da Delta, que encomendou 75 CS100, em abril desse ano, mesmo sem pagar imposto.

Enquanto a Embraer consegue fabricar mais de 110 E-Jets por ano, a Bombardier não está ultrapassando a marca de 20 CS100/300 por ano.

Para amenizar a Bombardier agora está focada em fazer a integração com a Airbus, visto que o novo controle acionário precisa ser aprovado pelas autoridades de ambos os países.

 

 

Via – Aviation Week

 

This post is available in: pt-brPortuguês