Em 2016 a Boeing recebeu uma encomenda para 14 aviões 747-8F, proveniente da UPS Airlines, uma companhia cargueira. Essa encomenda tinha uma opção de compra para 14 aviões, e foi exatamente essa outra “encomenda fixa” anunciada pela Boeing nesta última quinta-feira (01/02).

No total a UPS vai operar com 28 aviões desse modelo, ela já recebeu quatro aviões e o restante receberá até 2022, garantindo a produção do clássico quadrimotor por um bom tempo.



O 747-8 Freighter, com a sua porta no nariz da aeronave, tem 16% mais volume de carga do que o 747-400F. O avião também reduz o nível de ruído em 30%, através dos seus novos motores GEnx, em comparação com o seu antecessor.

Além dessa novidade, a UPS encomendou mais quatro aviões do modelo 767-300F. A companhia agora tem 7 encomendas para o 767 cargueiro. As entregas serão realizadas entre 2018 e 2020.

A Boeing está nesse momento está produzindo seis unidades do Boeing 747-8 por ano, devido à baixa demanda, a aeronave tem apenas 26 encomendas no momento, a maioria para a versão cargueira do 747-8.

Mesmo com a avançada idade dos 757 que opera em sua frota, a UPS não tem planos de se aposentar em qualquer aeronave. Só com as encomendas do 767F a UPS vai acrescentar 4082t de carga à sua frota.

A expansão de frota da UPS é uma forma de direcionar outras aeronaves de grande porte, como os A300 e MD-11 para cumprir atualmente as rotas realizadas pelos 757 e 767. Assim é possível aumentar a capacidade de carga em determinados mercados.

A diminuição do imposto de renda de 35% para 21% para empresas com lucro maior que US$ 10 milhões, aprovada recentemente pelo Governo Americano, também colaborou com o financeiro da empresa e incentivou a compra.