Nessa terceira parte iremos falar da falência da Pan Am e mais ou menos como ela aconteceu.

 

 

(Como sugestão de maior “aproveitamento” deste artigo sugerimos a música “My Way” de Frank Sinatra)   

 

 

 

A situação da empresa já estava um tanto quanto decadente. Os anos 90 se aproximavam e com ele muitas incertezas de como iria ser o mercado e o futuro da empresa, além disso empresas concorrentes surgiram e a Pan Am já não brilhava como um dia ela chegou a brilhar.

E com a chegada das rivais e crises internas a empresa não conseguia seguir muito bem as tendências de mercado, e ficava para trás perdendo espaço para suas pomposas e modernas concorrentes.

 

Por volta de 1989 a empresa tentou uma fusão com a Northwest Airlines, que acabou não se concretizando, em 1990 veio a guerra do Golfo que reduziu ainda mais a demanda da empresa, que nesse período já estava totalmente desesperada procurando meios para se manter.

Por isso vendeu todas as suas rotas transatlânticas para a Delta e United Airlines, o que antes era o tesouro e prodígio da empresa acabou se tornando uma forma rápida de se livrar de algumas dívidas. 

Airbus A300 da Delta Airlines em 1990.

 

Até que surgiu uma luz no fim do túnel, a Delta iria investir 140 milhões de dólares para ficar com 45% do capital e assumir mais alguns milhões de dívidas e ir aos poucos adquirindo o controle total sobre a empresa.

No entanto quando os executivos viram o rombo que havia sido deixado nos caixas da Pan Am, desistiram imediatamente do investimento milionário deixando a mesma de mãos atadas e declarando oficialmente sua falência no dia 4 de dezembro de 1991, há 25 anos.

Para quem ligava para empresa a procura de comprar novos bilhetes, alterar datas, ou simplesmente em busca de informações, era recebido pela central de atendimento da empresa, que a partir daquele dia era atendida por uma mensagem eletrônica que lamentava o ocorrido e devido as condições econômicas tiveram que fechar as portas, foi um caos para os passageiros que tinham viagens marcadas pela empresa.

 

 

Os voos que ainda estavam ocorrendo continuariam normalmente para os seus destinos, mas todos os outros foram cancelados causando transtornos para quem tinha viagem marcada fazendo de alguns aeroportos e guichês da empresa um verdadeiro caos.

Cerimônia improvisada de despedida no aeroporto de Miami no dia 4 de dezembro de 1991 com o voo procedente de Barbados, em um Boeing 727.

Todos os bilhetes poderiam ser aceitos pela Delta Airlines caso houvessem vagas no voo, e as passagens poderiam ser entregues nos balcões de outras empresas podendo sofrer alterações de acordo com as políticas da determinada empresa como alteração na data, dia e até classe do voo.

No mesmo ano da sua falência a Pan Am operava dois aviões Boeing 747 no Brasil, com voos diretos para Miami saindo de São Paulo e Rio, no dia do ocorrido ordens vindas diretamente dos EUA fizeram com que os dois aviões decolassem vazios para os Estados Unidos.

Todos os dois mil funcionários brasileiros receberam ordens de parar as operações. Era o fim do pioneirismo da aviação norte-americana e mundial, era o fim da Pan Am que operava 63 anos consecutivos no Brasil, era o fim dos tempos de ouro da aviação comercial.

Muito do que a aviação é hoje deve ao Juan Trippe e o legado da sua empresa, é difícil alguma companhia aérea no mundo ter várias influências no projeto de um avião que revolucionou a aviação, como o Boeing 747, e se não fosse por insistência do Juan ele talvez não existiria ou não teria feito tanta história.

Nenhuma outra empresa entrou tão rápido na era a jato como ela, e não investiu tão largamente em aviões que nem sequer tinha voado ainda, nenhuma outra empresa deixou uma legado e admiração tão grande nos quatro cantos do mundo por onde voou assim como a Pan Am. Infelizmente será difícil existir novamente uma empresa como ela.

 

Decolagem de um Boeing 747-200 da Pan Am do Aeroporto de Miami/Flórida nos Estados Unidos:

Matéria do Jornal Nacional informando o ocorrido:

COMPARTILHAR
Igor Danin
Estudante , sou da Aeroflap desde novembro de 2013 e acompanhei o crescimento e sucesso da página desde o início antes de me tornar adm, e agora que faço parte da equipe cresço junto com o site.