A compra de parte da Embraer pela Boeing tem outro empecilho, de acordo com uma publicação da Valor. Além do conhecido Golden Share, a venda de ações da Embraer (fora da Bolsa de Valores) exige um decreto presidencial, que autoriza o repasse do controle da empresa para uma empresa particular.

Esses dois fatores de possível “veto” do governo só entram em vigor caso a Boeing queira comprar mais de 50% da empresa, desse modo a fabricante americana teria o controle da empresa através do poder de voto no conselho.

Mesmo com só 5,5% da Embraer, o Golden Share do Governo Brasileiro é derivado do processo de privatização da Embraer na década de 90. Naquela época o governo queria garantir a presença da Embraer no Brasil, que era responsável por muitos empregos, inovação tecnológica e também projetos no setor militar.

Foto – Embraer/Reprodução

Desde então a Embraer vem marcando pesada presença no cenário econômico e militar do Brasil, as exportações da empresa mexem com a balança comercial, o produto é de alto valor agregado, cada avião que a empresa entrega vale milhões.

No setor militar a Embraer expandiu muito sua presença na FAB, hoje é responsável pelo A-29 Super Tucano, KC-390 e o Gripen NG. Em outros setores trabalha com a FAB no sistema de radar SAGITARIO, além de um sistema de monitoramento de fronteiras para o Exército. Com a Visiona trabalha para administrar o satélite estatal SGDC.

O Presidente da República, Michel Temer, e o ministro da Defesa, Raul Jungmann, já ressaltaram que vão vetar qualquer tentativa da Boeing de exercer controle na Embraer, ou interferir em projetos de defesa.

This post is available in: pt-brPortuguês