No início de 2014 a equipe da Aeroflap teve a oportunidade de visitar o Centro de Treinamento da GOL localizado em Diadema. Toda a estrutura ficava dentro de um galpão, inclusive os 3 simuladores do Boeing 737 NG e as salas de aula para os tripulantes, só que a localização era um ponto fraco, ficava longe dos principais aeroportos de São Paulo.

Então a GOL decidiu mover parte do Centro de Treinamento para sua sede em Congonhas, e no final de outubro a equipe da Aeroflap conseguiu fazer uma visita completa no local, você vai conferir nas próximas linhas como a GOL treina seus tripulantes.



Logo na entrada a nossa equipe se deparou com uma grande estrutura administrativa, diferente do local anterior, o novo Centro de Treinamento fica na “bagunça” do segundo aeroporto mais movimentado do Brasil, além de ficar no mesmo local onde se localiza o “cérebro” da GOL, o centro administrativo, à poucos metros do Centro de Treinamento fica a sala do presidente, e atrás os hangares de manutenção listados como categoria 1.

Com 900 m² de extensão, o Centro de Treinamento foi projetado para que, ao entrar, o colaborador sinta-se em uma das aeronaves da companhia. Os detalhes vão desde as janelas nos corredores ao teto com iluminação que remete a configuração sky interior.

Chegando ao Centro de Treinamento, depois de uma breve caminhada pelo local, encontramos o nariz do 737, como na foto em destaque desta matéria.

O hall de entrada é bem decorado e conta com vários computadores para acesso dos tripulantes da GOL, há também uma tela mostrando a programação de treinamentos no local.

 

Salas e auditório

O centro de treinamento da GOL conta com várias salas de aula, onde os tripulantes da companhia recebem um treinamento teórico, essencial para

Como citado acima, repare nos detalhes das janelas, que são semelhantes às instaladas nas aeronaves da companhia. O local é todo climatizado e está regulado sempre com uma temperatura agradável.

São sete salas de aula, sendo uma delas equipada com computadores para realização de treinamentos de Tráfego Aéreo Internacional (TAI) e e-learning.

O auditório conta com mais de 100 lugares, é uma forma da empresa reunir tripulantes para um treinamento conjunto, de forma a mostrar todos os detalhes de um procedimento de segurança a bordo, como o combate de focos de incêndio, socorro médico e atendimento ao passageiro.

Esse último local é um complemento do mockup em tamanho real, onde os tripulantes podem testar desde procedimentos de segurança até a padronização do atendimento ao cliente.

 

Ciclo de treinamento

Fotos 1 e 2 – GOL/Divulgação

 

Depois de passar no processo seletivo da GOL, o comissário ou piloto é direcionado ao Centro de Treinamento da companhia, como forma de aprimorar o seu aprendizado na sua área de atuação e padronizar os procedimentos.

Para ser convocado pela GOL, o candidato deverá ter conhecimento do idioma inglês (a partir do nível intermediário – conversação), ensino médio completo e além das certificações, consideradas obrigatórias para a participação no processo seletivo da vaga. São eles o CMA – Certificado Médico Aeronáutico, CCT – Certificado de Capacidade Técnica ou CHT – Certificado de Habilitação Técnica, caso já tenha exercido a função em outro operador aéreo. Em caso de nacionalidade estrangeira, é necessário ter RNE – Registro Nacional de Estrangeiros válido e ser naturalizado brasileiro, de acordo com a legislação do país.

 

Comissário

O comissário(a) que recém entrou na GOL passa 189 horas em sala de aula recebendo aulas teóricas, e 30 horas em rota sendo supervisionado. Depois de estar trabalhando na companhia, o comissário passa todo ano por uma “reciclagem”, rendendo mais 32 horas de aprendizado.

 

Chefe de cabine

Um chefe de cabine é escolhido pela companhia a partir do quadro de funcionários já existente. 

Sempre que há a necessidade de aumento de quadro de Chefes de Cabine, é lançado um comunicado ao grupo contendo os requisitos das vagas e convidando para a inscrição. Após as inscrições os candidatos passam por etapas como análise de perfil comportamental, avaliação técnica, psicológica.

Os candidatos de maior tempo de empresa aprovados nessas três etapas participam de um treinamento em solo, específico para a nova função e um acompanhamento em voo.

Para Instrutores de Voo e Examinadores os Chefes de Cabine são convidados de acordo com a antiguidade na função e também passam pelas etapas descritas acima.

 

Pilotos

Os pilotos passam por um sistema de treinamento diferente, em relação aos comissários. Eles usam um simulador para encarar situações que podem acontecer em um voo real, incluindo as emergências. Essa é uma forma eficiente de fazer na prática e com segurança os procedimentos capazes de evitar um acidente.

Antes de passar pelo simulador, os pilotos recebem uma carga de treinamento teórico em solo, que acontece nesse centro de treinamento em Congonhas. 

Os pilotos que acabaram de ingressar na companhia fazer 10 seções no simulador, depois do treinamento teórico. Já os pilotos que estão em reciclagem anual cumprem 4 seções no simulador.

Antes mesmo do simulador a GOL tem equipamentos onde o piloto pode treinar outros procedimentos básicos em uma aeronave, como os checklists e o primeiro reconhecimento dos comandos no 737, essencial para aqueles que ainda não tiveram o primeiro contato com a aeronave.

Esses equipamentos, dispostos em forma de painel ou mockup, ajudam assimilar os controles de um avião, e disponibilizam tempo em simulador para aqueles que realmente necessitam. Dessa forma ninguém fica sem treinar.

Dentro do simulador é possível encontrar um cockpit em tamanho real, cercado por um sistema de projeção que fornece as imagens do software de simulação para os pilotos, um instrutor se localiza logo atrás do assento do comandante e copiloto, ele tem uma tela própria que pode submeter comandos para o software e alterar as condições de voo, como simular uma falha de motor sem aviso ou alterar o clima no aeroporto de destino para simular uma condição sem visibilidade.

Os simuladores são equipados com a tecnologia de simulação tipo D Full Motion, com mecanismo de movimento completo. A tecnologia de movimentação ajuda o piloto a obter uma informação sensorial cada vez que uma superfície de comando é acionada, bem como perceber alterações de potência nos motores e ângulos de inclinação.

Ao todo a GOL tem três simuladores desse tipo à disposição, infelizmente eles não ficam localizados em Congonhas, já que demandam um espaço ainda maior.

 

A GOL conta atualmente com 1551 pilotos, 2577 comissários e 15277 colaboradores.

O Centro de Treinamento pode receber 400 funcionários por dia, um número bastante superior ao número de tripulantes que treinam no local por mês.

Mockup em tamanho real

O mockup é bem direcionado ao treinamento de comissários na GOL, são neles que os treinamentos práticos e teóricos, como primeiros socorros, despressurização, combate ao fogo, evacuação e salto na escorregadeira, são realizados.

Esse local também recebe outros treinamentos, como as práticas de serviço de bordo, normas e procedimentos, entre outros. É uma forma de padronizar o atendimento entre os 2577 comissários de voo da companhia.

A fuselagem foi instalada no centro de treinamento através de uma empresa especializada em serviços de grande porte, de acordo com a GOL, é derivada de um Boeing 737-300 da WebJet, tanto que só há duas janelas de emergência nas laterais.

No interior é possível ver o mesmo padrão das aeronaves da GOL, com os assentos da companhia e até mesmo os equipamentos de segurança. Uma cabine comanda as situações de emergência, como a fumaça a bordo e as luzes da aeronave.

Um boneco localizado no interior, e demonstrado nas fotos, serve para simular uma situação real de resgate de passageiro a bordo.

 

Veja abaixo essa matéria completa em vídeo:

Veja como é realizado um treinamento de fumaça a bordo no auditório (atualmente realizado no mockup em tamanho real):