A SpaceX realizou nesta quarta-feira o lançamento de mais 10 satélites Iridium NEXT, completando um conjunto que já soma 65 satélites.

O lançamento foi realizado a partir da Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia, com um foguete Falcon 9 Block 5. Como já é padrão na SpaceX, o primeiro estágio do foguete fez um pouso na Droneship, uma balsa adaptada para realizar essa função.

O sistema da Iridium NEXT opera por padrão com 66 satélites, mas no total serão lançados 75 satélites, pois nove deles atuarão como reserva caso algum perca a sinal com as bases da Terra ou simplesmente deixar de funcionar. A empresa ainda vai manter mais seis unidades de backup na Terra, para substituir satélites defeituosos ao longo dos anos.

O próximo lançamento será realizado em outubro, para colocar os dez satélites restantes, completando a constelação de 75 satélites.

Confira no vídeo abaixo o lançamento dos satélites:

 

Funcionalidade do Iridium NEXT

O satélite Iridium NEXT funciona de forma bem simples para transmitir o sinal ADS-B de aeronaves para o controle no solo, o satélite capta o sinal ADS-B do avião, como ele está em baixa altitude esse sinal chega forte e sem alterações por reflexo na superfície terrestre, o Iridium NEXT é responsável então por enviar o mesmo sinal para uma antena da Aireon, não são necessárias várias delas, um satélite se comunica com outro no próprio espaço.

Foto – Aireon/Reprodução

Os dados recebidos no sistema são transferidos para um computador que analisa e transmite a imagem de todos aviões no globo terrestre. No total 66 satélites Iridium NEXT são responsáveis por captar o sinal, sendo os outros seis somente de reserva. Atualmente a maioria das aeronaves são equipadas com ADS-B, a ICAO exige que todas as aeronaves comerciais sejam equipadas a partir de 2020.

Atualmente cerca de 70% da superfície terrestre não tem uma cobertura eficiente por radar, dessa forma alguns incidentes, como o voo MH370, permanecem como um mistério até os dias atuais, no ato a aeronave enviou sinais para o satélite e assim foi possível estimar um local de queda da mesma, porém os destroços e passageiros não foram localizados até hoje.

Sistemas de antenas ADS-B em solo têm várias limitações, apesar de suas vantagens técnicas, a linha de visão limita o alcance, assim como ele pode sofrer danos com raios e outras adversidades. O custo de instalar um sistema desse, que precisa de internet, em zonas isoladas é muito alto, e, portanto, muitas partes do globo não têm cobertura por antenas ADS-B em solo.

O Iridium, fabricados pela Harris Corporation diretamente para uso da Aireon, irá quebrar essa teoria com um funcionamento bem simples. Os dados são recebidos por uma base em solo da Aireon e transmitidos para diversas companhias que fazem o rastreamento em tempo real do espaço aéreo. A empresa também será responsável por um monitoramento de emergência gratuito, com operação da Irish Aviation Authority.

Foto – Aireon/Reprodução

Vários órgãos já assinaram esse serviço de monitoramento, entre eles estão: NAV Canada, Irish Aviation Authority, Naviair, ENAV, NATS UK, South Africa’s Air Traffic and Navigation Services, The Civil Aviation Authority of Singapore e Curaçao’s DC-ANSP.

Para usuários comuns o serviço de ADS-B via satélite será oferecido pelo site FlightAware, que está em ampla expansão da sua cobertura. Esse site é concorrente do FlightRadar 24. Outro sistema chamado GlobalBeacon está sendo criado para cumprir as exigências de emergência aérea (GADSS), quando estiver disponível todas as companhias terão acesso imediato ao serviço que será fornecido via internet.

O site FlightAware irá complementar sua cobertura de satélite, fornecida pela Aireon, com outras 17500 antenas ADS-B em solo, dados ACARS e mais de 8 mil estações de Mode-S. Além claro dos dados de ATC vindo de 55 países. Talvez essa seja a maior cobertura do mundo sendo oferecida por um site na internet.

This post is available in: pt-brPortuguês