Ontem a Delta Airlines anunciou uma importante encomenda de aeronaves CSeries da Bombardier, para a companhia foi um novo marco na operação de aeronaves regionais com maior eficiência, que ajudarão a melhorar a geração de caixa para a Delta. Para a Bombardier foi um importante reforço no complicado programa do CSeries, que gastou 5 vezes mais do que o previsto e não conta com uma quantidade alta de pedidos fixos.

Durante um Media Day realizado hoje pela Delta em Atlanta, foi argumentado sobre a opção de contrato que torna válido a troca de encomendas do CS100 pelo CS300, este último uma variante de maior capacidade do CSeries. O CEO da Delta,  Ed Bastian, disse que a companhia está bastante interessada na proposta do CS300 da Bombardier, e que estaria avaliando as ofertas da fabricante, para então decidir melhor sobre o futuro de sua frota.

Ed Bastian não se limitou suas análises somente ao CSeries, ele também comparou a aeronave da Bombardier com o Boeing 717, “jatos regionais de 50 lugares”, e a atual geração de Ejets que compõe a frota da Delta Connection. Apesar do 717 ser recém adicionado a frota da Delta, com a primeira aeronave recebida em 2013, já em condição de usada, Bastian disse que é uma aeronave adequada e faz parte da atualização de frota.

Já sobre o CSeries, ele voltou a falar que o CS100 irá substituir toda uma gama de aeronaves regionais com capacidade de 50 a 110 assentos. Para a Delta, o CSeries seria uma opção muito mais atraente devido a nova tecnologia aplicada a estrutura da aeronave, e também aos motores PW 1500G que pertencem a uma nova geração.

Caso a Delta reverta uma parte da encomenda de CS100 para CS300, que pode chegar em até 36 aeronaves, ela ganhará uma capacidade extra de oferta, pois na configuração demonstrada pela Bombardier o CS300 transporta 134 passageiros, contra 110 do CS100.

 

Fonte – ATW Online

COMPARTILHAR