Uma nova tensão entre EUA e Rússia aconteceu no último dia 17 de março. O evento em questão foi à vigilância feita por dois caças Lockheed Martin F-22 Raptor à dois bombardeiros Russos TU-95 Bear, nas proximidades da Ilha Kodiak, no estado norte americano do Alasca.

Além dos dois F-22, um avião de alerta rápido E-2 também foi engajado na missão. Os bombardeiros russos apareceram a cerca de 450 quilômetros de distância da Zona de Identificação de Defesa Aérea norte-americana. Os dois bombardeiros TU-95 retornaram ao espaço aéreo internacional após 12 minutos de sobrevoou dos Raptors.



O evento em questão não foi único. Em 2015 os EUA alegaram que aviões russos entraram em espaço aéreo norte-americano próximo aos estados do Alasca e Califórnia. A tensão desse episódio fica ainda maior pela conturbação gerada entre os EUA com a Rússia, devido ao ataque americano na Síria e a grande tensão entre o país norte-americano e a Coréia do Norte.

Não é a primeira vez que bombardeiros Russos invadem ou voam próximo ao espaço aéreo de outro país. No início do ano caças franceses, ingleses e espanhóis foram escalados para interceptar dois bombardeiros supersônicos TU-160, que voaram a uma pequena distância do espaço aéreo da França e do Reino Unido.