A Embraer decidiu atrasar a entrada em serviço comercial do primeiro E175-E2 em um ano, o novo E-Jet que antes tinha previsão de entrar em serviço em 2020, agora só entrará em 2021.

A grande causa dessa atitude da Embraer é motivada por acordos recentes entre os pilotos americanos, que deram preferência para continuar com a proibição de peso máximo para jatos com menos de 75 assentos, anteriormente a Embraer projetou um leve aumento de capacidade para o E175-E2, que agora seria capaz de transportar 80 passageiros.

Esse aumento de capacidade levou o novo E-Jet E2, o menor da família, a não se enquadrar nas regras de aviação regional americana, devido ao acordo entre sindicatos de pilotos e as companhias aéreas. A Embraer também decidiu continuar com a produção do E175-E1 por um ano, mesmo após o E190-E2 e o E195-E2 entrar em serviço.

Info – Embraer/Repro.

Para alcançar os novos padrões de desempenho mesmo com um pequeno aumento na fuselagem, a Embraer redesenhou asa, empenagem e incorporou novos motores no E-Jet, os Pratt & Whitney PW1700G. O E175-E2 se difere do resto da família E-Jet por ser a única aeronave com estabilizador horizontal e flaps em material composto, enquanto as outras utilizam ligas metálicas.

A principal encomenda para o E175-E2 vem da SkyWest, com 100 encomendas e mais as opções de compra. O cronograma das outras aeronaves, E190-E2 e E195-E2, não foi alterado.

 

COMPARTILHAR