A Embraer demonstrou mais um avanço para a montagem final do E-Jet E2, nesta semana o caixão da asa foi finalizado, essa é a parte central da asa, que suporta toda a carenagem e os componentes aerodinâmicos, como flaps e slats. 

Ao contrário da primeira geração, cada versão do E-Jet E2 terá uma asa diferente, para otimizar o consumo de combustível enquanto a aeronave está voando, por isso a importância de cada etapa do desenvolvimento, visto que entre o E175 E2 e o E195 E2 há diversas diferenças de projeto. A Embraer garante que com essa escolha o E-Jet terá a relação de aspecto mais elevada entre os narrow-body, mais eficiente até do que a linha 737 MAX e A320neo.

Além disso a escolha de materiais e a forma de arranjo para fazer a caixa de asa e também o caixão afeta enormemente no peso final do projeto, a Embraer optou por uma solução que fosse possível diminuir ao máximo o peso do E2, e assim otimizar seu consumo de combustível, esse é um outro ponto de destaque no projeto.

Em setembro deste ano a Embraer iniciou os testes estruturais para o E195 E2. O avião de testes estáticos é composto de uma fuselagem do E195-E2, a maior versão do E-Jet E2, e as asas do E190-E2. Os ensaios de fadiga terrestres simulam o estresse estrutural produzido por todas as fases de voo, incluindo a decolagem, o pouso e a fase de cruzeiro, em uma quantidade de tempo suficiente para obter um resultado sobre a vida útil da aeronave.

Foto - Embraer/Divulgação
Fuselagem do E195 E2 durante os testes de fadiga. Foto – Embraer/Divulgação

Um total de 240 mil voos serão simulados durante o período de testes em solo, três vezes maior do que o número de voos da vida típica de uma aeronave E-Jet. Além dos novos motores, o E195 E2 recebeu três novas seções na fuselagem, para aumentar a capacidade de passageiros, e também uma nova asa para melhorar a eficiência aerodinâmica.

O E195-E2 é a maior opção da Embraer para a família E-Jet, através das atualizações que a aeronave recebeu em sua segunda versão, ela será capaz de transportar até 144 passageiros em configuração de alta densidade, além de ter a autonomia incrementada e ser propulsionado pelo motor Pratt & Whitney Pure Power, o mesmo que equipa as três unidades do E190-E2 existentes até o momento, porém com um adicional de potência para o maior peso de decolagem do E195-E2.

A Embraer mantém a previsão de realizar o primeiro voo do E195-E2 no primeiro semestre de 2017, com as entregas iniciando em 2019.

 

COMPARTILHAR