Hoje a Embraer realizou um grande marco para a sua história, a primeira aeronave Ejet de segunda geração realizou sua primeira decolagem, e consequentemente o primeiro voo nesta segunda-feira (23/05). Durante todo o voo a aeronave foi acompanhada por um jato Legacy 650 e outro Legacy 500, que deram o suporte necessário e realizaram as primeiras imagens do Ejet E2 em voo de cruzeiro.

A aeronave decolou às 13h05 aproximadamente, no total o voo durou cerca de 3 horas até a aeronave pousar em São José dos Campos, atual sede da Embraer e principal local responsável por produzir aeronaves do modelo Ejet. No voo estava o comandante Mozart Louzada, assessorado pelo co-piloto Gerson de Oliveira, além dos engenheiros Alexandre Figueiredo e Carlos Silveira.

“Um primeiro voo é sempre uma ocasião emocionante, não importa quantos você testemunhe ao longo dos anos. Neste caso em particular, não estamos apenas mantendo as nossas promessas ao mercado, mas indo além, estando adiantados alguns meses em relação ao programado. Quero agradecer a todos os funcionários da Embraer que estão participando neste projeto”, disse Frederico Fleury Curado, Presidente & CEO da Embraer.

A Embraer afirmou que foi possível realizar um avanço ainda maior do que o previsto, tanto na data do voo, que estava programado para o início do segundo semestre, como no próprio voo que ocorreu hoje. Ao contrário de maioria dos protótipos o Embraer E190-E2 foi capaz de chegar a sua altitude máxima de operação, 41 mil pés, recolher o trem de pouso durante o voo e voar com sua capacidade máxima de velocidade.

“Há sempre um série de expectativas com um primeiro voo e de hoje não foi exceção. Fomos capazes de abrir significativamente o envelope de voo, voando na velocidade de mach 0.82, subindo para 41 mil pés e retraindo trem de pouso e flapes, e acionando o modo normal dos comandos de voo fly-by-wire. Tudo isso demonstra que o projeto do E190-E2 é muito maduro e robusto, excedendo os objetivos de desempenho”, disse o Capitão Louzada.

O Ejet E2 oferece diversas evoluções quando comparado à geração atual. Os motores serão os novos Pratt & Whitney PW1900G para os modelos E-190E2 e E-195E2, ficando o PW1700G para o E175-E2. Os comandos de voo serão Fly-By-Wire, com cockpit renovado composto por 4 telas de alta resolução e os tradicionais manches da Embraer, melhorias em aerodinâmica e nova asa foram incorporadas ao modelo E2. A Embraer estima um consumo até 20% menor que a geração atual.

O Ejet E2 é composto por 3 variantes semelhantes as atuais em nomeclatura, são a E175-E2, E190-E2 e E195-E2. As entregas se iniciam em 2018 para a versão E190-E2, seguido pela versão E195-E2 em 2019 e o E175-E2 no ano de 2020. Em todas as 3 variantes, o Ejet E2 conta com 267 pedidos fixos e 373 opções de compra, até o momento a Embraer já entregou mais de 1200 Ejets de primeira geração e segue para completar 1800 aeronaves em operação da atual geração.

COMPARTILHAR