A Embraer apresentou na manhã desta quinta-feira os seus resultados financeiros de 2017, e também do último trimestre do ano (4º trimestre).

Você pode conferir boa parte dos dados financeiros da Embraer nos tópicos abaixo.

 

No ano

No ano, o Lucro líquido total foi de R$ 795,8 milhões e o Lucro por ação ficou em R$ 1,0838. O Lucro líquido ajustado, excluído do Imposto de renda e contribuição social diferidos e também do impacto líquido, após imposto dos itens especiais descritos anteriormente, foi de R$ 899,4 milhões em 2017, por comparação em 2016 foi de R$ 969,4.

Em 2017 a Receita líquida caiu 13% para R$ 18.713,0 milhões, comparada aos R$ 21.435,7 milhões de 2016, tendo como principais fatores a valorização do Real durante o ano e a queda do número de entregas dos jatos comerciais e executivos.

A Receita líquida em dólares foi de US$ 5,8 bilhões no ano e de acordo com a Embraer, ficou dentro das estimativas divulgadas ao mercado de US$ 5,7 a US$ 6,1 bilhões.

Em 2017, a Margem bruta da Companhia foi de 18,3% comparada aos 19,9% de 2016 refletindo o menor número de entregas nos segmentos de Aviação Comercial e Aviação Executiva e também o impacto negativo gerado pela revisão da base de custos de alguns contratos do segmento de Defesa & Segurança.

No ano, o EBIT foi de R$ 1.059,5 milhões, comparado aos R$ 717,8 milhões de 2016, apresentando margens EBIT de 5,7% e 3,3%, respectivamente.

Em 2017 essas despesas ficaram em R$ 981,6 milhões, queda de 24% em relação aos R$ 1.289,0 milhões de 2016, com declínio nas três principais unidades de negócios, refletindo ganhos de eficiência, apesar de uma taxa de câmbio média menos favorável para o dólar em relação ao real, no período.

Em 2017, as despesas com Pesquisa totalizaram R$ 157,6 milhões, comparadas aos R$ 162,0 milhões de 2016 e em linha com a estimativa anual da empresa.

 

No 4º trimestre

No 4T17, a Embraer apresentou Lucro líquido de R$ 117,2 milhões e Lucro por ação de R$ 0,1596. O Lucro líquido ajustado, excluído do Imposto de renda e contribuição social diferidos e também do impacto líquido, após imposto dos itens especiais descritos anteriormente, foi de R$ 191,5 milhões no 4T17, comparado aos R$ 694,2 milhões do 4T16. 

No 4T17, a Receita líquida teve queda de 16% em relação ao 4T16 e ficou em R$ 5.654,8 milhões que pode ser explicado principalmente pela queda do número de entregas no período.

A Margem bruta consolidada de 20,0% no 4T17 ficou estável em comparação aos 20,1% alcançados no 4T16 apesar da queda de receita já mencionada. 

O Resultado operacional (EBIT) e a Margem operacional no 4T17 foram de R$ 217,8 milhões e 3,9%, respectivamente e apresentaram queda e em relação aos R$ 921,5 milhões e os 13,7% reportados no 4T16.

As despesas administrativas totalizaram R$ 159,4 milhões no 4T17, representando crescimento em relação aos R$ 145,0 milhões relatados no 4T16. Para o ano de 2017, essa despesa foi de R$ 572,7 milhões, comparada aos R$ 574,1 milhões de 2016. As despesas comerciais subiram ligeiramente de R$ 267,4 milhões no 4T16 para R$ 269,1 milhões no 4T17.

As despesas com Pesquisa foram de R$ 56,8 milhões no 4T17 e ficaram pouco abaixo dos R$ 61,9 milhões do 4T16, principalmente em função da taxa média de câmbio mencionada anteriormente.

Outras receitas (despesas) operacionais líquidas apresentou despesa de R$ 430,3 milhões no 4T17 comparada a uma receita de R$ 50,5 milhões no 4T16. No total anual, essa mesma conta apresentou despesa de R$ 653,9 milhões em 2017, comparada a uma despesa de R$ 1.525,7 milhões em 2016. 

 

Lucro por ação

O Lucro por ação excluindo-se esses mesmos itens foi de R$ 0,2608 no 4T17, comparado ao R$ 0,9437 do 4T16 e, em 2017 foi de R$ 1,2248, ante o R$ 1,3179 apresentado em 2016.

 

Receita por segmento

No 4T17, o segmento de Aviação Comercial teve participação de 46,0% na Receita líquida da Companhia, abaixo dos 50,6% do 4T16, principalmente em função do menor número de entregas, o que resultou em queda de 23% na receita na comparação entre os anos.

O segmento de Aviação Executiva teve crescimento de participação de 33,2% no 4T16 para 37,8% no 4T17, apesar da queda de receita de 4% em relação ao ano anterior. O segmento de Defesa & Segurança teve 15,6% de participação na receita no 4T17, ficando estável em relação ao 4T16.

Outras receitas representaram 0,6% de participação no 4T17 em comparação aos 0,4% do 4T16. No ano, o segmento de Aviação Comercial teve 57,7% de participação no total das receitas da Companhia, o segmento de Aviação Executiva reportou 25,6%, o segmento de Defesa & Segurança alcançou 16,3%, enquanto que outras receitas tiveram participação de 0,4%.

 

Dívida

A dívida da Embraer aumentou consideravelmente no 4º trimestre de 2017, atingindo R$ 13.888,8 milhões. A empresa justificou isso como “função da variação cambial do trimestre.”

A dívida de longo prazo totalizou R$ 12.602,2 milhões, enquanto a dívida de curto prazo foi de R$ 1.286,6 milhões. Considerando o perfil atual da dívida, o prazo médio de endividamento caiu de 6,1 anos para 6,0 anos.

 

Ações nesta quinta-feira

A empresa apresentou os resultados na manhã desta quinta-feira, isso logo refletiu em uma rápida queda de 5,74% no valor de suas ações, passando a valer R$20,01, ante R$ 21,07 na abertura do dia.

 

Entregas

A Embraer entregou 23 aeronaves comerciais e 50 executivas (32 jatos leves e 18 jatos grandes) no 4T17, para um total acumulado de 101 aeronaves comerciais e 109 executivas (72 jatos leves e 37 jatos grandes) entregues em 2017, atingindo assim sua estimativa anual de entregas.

Isso se compara a um total de 32 aeronaves comerciais e 43 executivas (25 jatos leves e 18 jatos grandes) entregues no 4T16 e 108 aeronaves comerciais e 117 executivas (73 jatos leves e 44 jatos grandes) entregues em 2016.

 

Pedidos

Considerando-se todas as entregas, bem como os pedidos firmes obtidos durante o período, a carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) da Companhia teve queda de US$ 0,5 bilhão durante o 4T17 e fechou o ano em US$ 18,3 bilhões.

A carteira de pedidos firmes e à entregar da Aviação Comercial encerrou 2017 em US$ 13,4 bilhões. Já a divisão de jatos executivos US$ 777 milhões em pedidos firmes.

A Embraer Defesa & Segurança fechou o ano com US$ 4,2 bilhões em sua carteira de pedidos firmes.

 

Via – Embraer (Você pode conferir mais detalhes dos resultados Clicando Aqui)

This post is available in: pt-brPortuguês