Empresas News

Embraer lucra R$ 192,7 milhões no segundo trimestre de 2017

Foto - Embraer

A Embraer apresentou hoje o seu resultado financeiro no segundo trimestre de 2017 (2T17), após apresentar o número de aeronaves fabricadas no período. No total a Embraer entregou 35 jatos para o mercado de aviação comercial e 24 aviões para o segmento de aviação executiva ao longo do segundo trimestre de 2017, sendo 16 jatos leves e oito jatos grandes.

O número de entregas na aviação comercial subiu cerca de 35% em relação ao mesmo período do ano passado. Já a aviação executiva entregou cinco jatos grandes a mais do que no segundo trimestre de 2016, embora no total tenham sido entregues duas unidades a menos. Em 30 de junho a carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) totalizava US$ 18,5 bilhões.

 

Receita

No trimestre a Embraer teve crescimento de 19% na receita líquida em comparação ao mesmo período do ano anterior, o que pode ser explicado pela combinação do aumento no número de entregas da Aviação Comercial, de um mix mais favorável de entregas na Aviação Executiva, do lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) e do crescimento da receita de serviços no período.

O crescimento das entregas da Aviação Comercial resultou em um aumento de receita da ordem de 17% em relação ao mesmo período do ano anterior. Na Aviação Executiva, o aumento percentual de entregas de jatos grandes (33% no 2T17 vs. 12% no 2T16), assim como o crescimento da receita de serviços levou ao aumento de 8% na receita líquida do trimestre, em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. A receita líquida de Defesa & Segurança teve crescimento de 47%, como resultado principalmente do lançamento do SGDC na primeira semana de maio.

No primeiro semestre de 2017 a receita líquida da Embraer teve queda de 9% em comparação ao 1S16, o que pode ser explicado principalmente em função da valorização do Real ocorrida no período.

A Embraer gerou R$ 739,9 milhões de fluxo de caixa livre ajustado durante o 2T17, que no 1S17 foi de R$ 92,6 milhões. A posição de dívida líquida da Companhia diminuiu para R$ 2.188,5 milhões no final do 2T17 em comparação aos R$ 2.553,1 milhões do final do 1º trimestre de 2017;

Lucro

No 2º trimestre de 2017 a Embraer apresentou Lucro líquido de R$ 192,7 milhões e Lucro por ação de R$ 0,2620. No segundo trimestre de 2016 a Embraer registrou prejuízo líquido de R$ 337,3 milhões. No primeiro semestre de 2017 o Lucro líquido foi de R$ 327,6 milhões.

O Lucro líquido ajustado, excluindo Imposto de renda e contribuição social diferidos e também o impacto líquido, após imposto dos itens não recorrentes descritos anteriormente, foi de R$ 398,0 milhões no 2º trimestre de 2017.

Pedidos firmes em carteira

Considerando-se todas as entregas, bem como os pedidos firmes obtidos durante o período, a carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) da Companhia teve queda de US$ 0,7 bilhão durante o 2T17 e ficou em US$ 18,5 bilhões.

 

Destaques do primeiro semestre e encomendas

No 2T17, a Embraer entregou 35 aeronaves comerciais, um crescimento de 35% comparado ao ano anterior.

Em abril, a Embraer celebrou a longevidade do seu programa ERJ, atingindo 20 anos de operação comercial do jato ERJ 145 de 50 lugares, recebendo 30 operadores dessa família de jatos, para a Conferência de Operadores Embraer, durante dois dias no Rio de Janeiro. Ao longo dos anos, a Embraer alcançou a significativa marca de mais de 900 entregas desta família de jatos no segmento de Aviação Comercial.

Durante o trimestre, a Embraer anunciou um total de pedidos firmes para 22 E-Jets, incluindo 12 E-Jets da geração atual para cinco clientes, bem como dez E-Jet E2s para um cliente não revelado. O valor total desses pedidos supera US$ 1 bilhão a preços de lista atuais.

A atual base de clientes de E-Jets tem se expandido continuamente também por meio de leasing, bem como pela compra de aeronaves usadas. Durante o 2T17, a S7 Airlines colocou em operação o primeiro de 17 E170, seguido pela Georgian Airways com o E190. A Airlink da África do Sul também recebeu a entrega do seu primeiro E190, de um total de 10 aeronaves, além de três E170 adicionais.

Outros clientes do E-Jet, como a Aeroméxico Connect e a Sky Regional, também aumentaram suas frotas de E190 e E175 nos últimos meses, com a primeira ainda aguardando entregas de mais aeronaves no 2S17.

Quanto ao programa da próxima geração dos E-Jets, o E2, o segundo trimestre foi marcado pela progressão contínua da campanha de certificação, com cinco protótipos (quatro E190-E2 e um E195-E2) superando 1000 horas de ensaio em voo e chegando a quase 3000 horas de ensaios em solo. No primeiro semestre deste ano o E195 E2 com sucesso (foto abaixo).

Foto – Embraer/Reprodução

O E190-E2 já realizou 55% de sua campanha de testes. Além disso, o teste de elasticidade da asa foi concluído com sucesso em maio. O E195-E2 teve seu alcance aumentado de 2450nm para 2600nm, revelando um desempenho ainda melhor do que o esperado inicialmente.

No segmento de jatos comerciais com 70 a 130 assentos, a Embraer mantém a liderança com mais de 50% das vendas e 60% das entregas no mercado mundial.

Ao final do 2T17, a carteira de pedidos e entregas acumulada da Aviação Comercial era composta da seguinte forma:

Aviação executiva

As entregas da Aviação Executiva no 2T17 foram de 16 jatos leves e oito jatos grandes, totalizando 24 aeronaves.

Durante o segundo trimestre de 2017, a Embraer entregou cinco jatos grandes a mais do que no segundo trimestre de 2016, embora no total tenham sido entregues duas unidades a menos. Os principais destaques foram a venda de três Legacy 650E para a Air Hamburg, da Alemanha, que se tornou cliente lançador dessa aeronave, e o avanço das entregas do Phenom 100 EV para mercados como Brasil e México.

Também durante o segundo trimestre, a Embraer entregou a aeronave executiva de número 1100, um Phenom 300 para a NetJets, e recebeu o certificado da EASA (European Aviation Safety Agency) para o Phenom 100 EV.

Foto – Embraer/Divulgação

Em maio, a Embraer apresentou o mais novo interior do Lineage 1000E na EBACE e anunciou o Phenom 300 como a aeronave selecionada para introduzir a empresa Surf Air na Europa. E em julho, o Legacy 450 participou pela primeira vez no Paris Air Show.

A Embraer continua fortalecendo sua rede de suporte global com nomeação da JF Services como um centro de serviço autorizado para o Legacy 450/500 na Rússia.  A companhia também anunciou no segundo trimestre que a Embraer Executive Jet Services localizada no aeroporto de Le Bourget, nos arredores de Paris, foi aprovada pelo FAA como estação de reparo parte 145, permitindo que todos os jatos executivos da companhia registrados nos EUA possam ser atendidos nessa instalação.

 

Defesa & segurança

Em abril, durante a LAAD, realizada no Rio de Janeiro, Savis e Bradar, empresas afiliadas da Embraer Defesa & Segurança anunciaram juntamente com a Rockwell Collins a assinatura de um acordo de cooperação para avaliar o desenvolvimento conjunto de negócios para aplicações de defesa. Durante o Paris Air Show, em junho, Savis, Bradar e Thales também divulgaram um acordo para a avaliação em conjunto de oportunidades de negócios para sistemas de controle de tráfego aéreo, civis e militares, para o mercado global. Essas iniciativas visam impulsionar a atuação das empresas no mercado internacional, buscando a complementação entre as capacidades existentes em suas linhas de produtos.

Satélite SGDC.

Em maio, houve o bem-sucedido lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) a partir do Centro Espacial da Guiana, em Kourou, Guiana Francesa. A Visiona Tecnologia Espacial é a responsável pela integração do Programa SGDC o qual deverá prover cobertura de serviços de internet a todo o território nacional, além de fornecer um meio seguro e soberano para as comunicações estratégicas do governo brasileiro.

No mesmo mês, em conjunto com seu parceiro norte americano Sierra Nevada Corporation, a Embraer foi convidada a participar da Avaliação de Capacidade de Plataformas de Ataque Leve da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), com o A-29 Super Tucano. A avaliação, conhecida como OA-X, iniciou-se em julho, na Base Aérea de Holloman, no Novo México (EUA) e faz parte do esforço da USAF para explorar os benefícios de adquirir um novo avião de ataque leve de baixo custo e que não requer futuros desenvolvimentos para fornecer apoio aéreo tático e outras missões em ambientes permissivos e semi-permissivos, reduzir os custos de treinamento de pilotos de caça e acelerar a proficiência de pilotos.

Foto – USAF/Reprodução

Com relação ao programa KC-390, o desenvolvimento e a certificação avançaram conforme planejado com os dois protótipos tendo ultrapassado a marca de 1200 horas de voo. A aeronave também foi exposta em importantes eventos do setor aeronáutico, tais como LAAD, no Rio de Janeiro, e Paris Air Show, onde a aeronave marcou presença com voos diários de demonstração. Após a feira francesa, o KC-390 partiu para um tour de demonstração e apresentação para diversas Forças Aéreas em países na Europa, Ásia-Pacífico, África e no Oriente Médio.

Segundo KC390 à direita da foto. Foto – Embraer

Em junho, o Gripen E, modelo da nova geração do caça sueco, fez seu primeiro voo nas instalações da Saab em Linköping, na Suécia, estabelecendo um marco para a aeronave no caminho para alcançar o cronograma de entregas de 2019 às Forças Aéreas Suecas e Brasileiras. Dezenas de engenheiros da Embraer permanecem dedicados, tanto no Brasil como na Suécia, ao treinamento de manutenção e desenvolvimento do Gripen NG juntamente a engenheiros suecos.

Caça Gripen E em seu primeiro voo. Foto – Saab/Divulgação

A Atech, inserida no programa de modernização dos sistemas de controle de tráfego aéreo brasileiro, implantou nesse trimestre o SAGITARIO (Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatórios de Interesse Operacional) no Centro de Controle de Aproximação de Vitória.

No Congresso Smart City Business America 2017, maior evento sobre Cidades Inteligentes da América Latina realizado na cidade de Curitiba, a Atech apresentou ao mercado a solução Arkhe Governance, conjunto de soluções que possibilitam Integração e Colaboração baseada na expertise de Comando e Controle focada em Governança. Ainda no 2T17, a Atech assinou um termo aditivo relacionado ao programa H-XBR TDMS, que estenderá o suporte de atividades de integração de software do sistema de missão embarcado do helicóptero de emprego naval.

About the author

Redação Aeroflap

Redação Aeroflap

Newsletter

[newsletter_signup_form id=1]

Facebook

Em busca de hotel?


Share This