A Embraer notificou recentemente o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos sobre o fim antecipado do lay-off, firmado pela empresa no fim de 2016.

Em janeiro desse ano cerca de 1080 empregados da unidade de São José dos Campos (SP) entraram em regime de lay-off, em um acordo firmado em 2016. O número foi menor que o apresentado pela empresa em novembro de 2016, que previa colocar cerca de 2 mil trabalhadores.

O período do lay-off foi agendado anteriormente para janeiro de 2017 até dezembro de 2018, para diminuir o impacto cada grupo de trabalhadores ficou de dois a cinco meses sem trabalhar.

Já para os trabalhadores isso soa como uma boa notícia, visto que voltar a trabalhar significa uma maior estabilidade no emprego, por mais que a Embraer tenha garantido os salários e as estabilidades no emprego durante o período.

No lay-off, o contrato de trabalho é suspenso temporariamente, mas o empregado continua a receber uma ajuda mensal através de Bolsa de Qualificação Pessoal, junto com uma ajuda compensatória mensal, para equivaler ao salário líquido.

O empregado deveria nesse período participar de algum curso ou programa de qualificação profissional para garantir o benefício.

Em contrapartida o acordo com o Sindicato garantiu a estabilidade durante o período de lay-off e mais três meses após o retorno à fábrica. As áreas de montagem da aviação comercial e executiva foram atingidas.

Agora de quebra o sindicato dos metalúrgicos de São José dos Campos quer aproveitar o bom momento da empresa para também negociar um reajuste salarial e uma maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

This post is available in: pt-brPortuguês