Nessa semana os Estados Unidos e o Reino Unido proibiram o transporte de eletrônicos na cabine da aeronave, o único dispositivo que ficou de fora dessa nova regra foi o celular/smartphone. A medida vale somente para voos provenientes dos Oriente Médio, incluindo os passageiros da Arábia Saudita, Catar, Egito, Emirados Árabes, Kuwait, Jordânia, Líbano, Marrocos e Turquia.

O principal motivo para implementar essa nova regra é evitar que notebooks escondam explosivos que se estourem dentro do voo, evitando assim ataques de terroristas. Todo dispositivo eletrônico, que não o celular, precisará ser despachado junto com a mala em voos internacionais saindo desses países citados acima. 

O Reino Unido também implementou a proibição, porém manteve dois países de fora, os Emirados Árabes e  o Qatar. Logo os países conhecidos pelas companhias aéreas Emirates e Qatar Airways, as duas estão entre as mais luxuosas do mundo.

O professor Jeffrey Price, da Metropolitan State University de Denver, disse que havia desvantagens se todos colocassem seus aparelhos eletrônicos na bagagem despachada. Os roubos de bagagem disparariam, do mesmo modo que aconteceu em 2006, quando a Grã-Bretanha tentou uma proibição semelhante, e alguns laptops têm baterias que podem pegar fogo, um evento mais fácil de detectar e combater na cabine do que no porão de carga.

 

This post is available in: pt-brPortuguês