Foto - Boeing
Foto – Boeing

O órgão regulador da aviação civil dos EUA, ordenou uma correção urgente nos motores da General Electric GEnx -1B PIP2 que equipam o Boeing 787 Dreamliner. O motivo principal seria um caso ocorrido em 29 de janeiro deste ano, onde ocorreu formação de gelo no motor GEnx em uma altitude de 20 mil pés, enquanto a aeronave da Japan Airlines voava de Vancouver, no Canadá, para Tóquio, no Japão. A ocasião ocorreu cerca de 140Km do destino final e necessitou que o motor número 2 fosse desligado.

De acordo com a FAA, órgão de regulamentação da aviação civil nos EUA, a principal causa do problema que pode levar um motor a ser desligado permanentemente em voo é a formação de gelo nas pás do fan frontal, que levariam a um desbalanceamento do fan e a possibilidade das pontas de suas pás raspar na carcaça interna do motor. Isso resulta no registro de extensos danos em seu interior e na incapacidade de reiniciar o motor após ser desligado, em uma tentativa de cessar as vibrações pela fricção das pás com a carcaça.

Existem 176 aeronaves operadas por 29 companhias aéreas em todo o mundo que podem ser suscetíveis a esse problema, segundo a FAA, porém maioria dos órgãos regulamentadores da aviação segue as diretrizes da Agência americana. Foi deliberado que a Boeing deveria realizar uma atualização no manual do 787 Dreamliner, que entrará em vigor a partir do dia 09 de maio, para incluir procedimentos de remoção de gelo. Para as companhias aéreas o recomendado foi a instalação de uma versão anterior do GEnx-1B, chamada de PIP 1, que não registra o problema de fricção das pás, ou realizar o reparo definitivo oferecido pela GE para a versão PIP 2.

Outra recomendação que será direcionada para os pilotos, é de evitar o voo acima de 12500 pés na proximidade de nuvens carregadas ou áreas com grande concentração de umidade, para evitar a formação de gelo em aeronaves afetadas por esses problemas.

Já a GE irá oferecer uma solução definitiva para o problema da versão PIP 2, que consiste em retirada do material nas pás do fan frontal, criando assim uma folga maior entre a carenagem e o fan, minimizando a possibilidade de ocorrer atrito entre as peças. O prazo para realizar o reparo definitivo é de 16 horas consecutivas e não necessita da retirada completa do motor. Até o momento o reparo definitivo da GE já foi realizado em 40 motores.

As tradicionais companhias aéreas do EUA disseram que até o momento não relataram nenhuma formação crítica de gelo em seus motores GE que equipam o 787 Dreamliner. A companhia aérea americana com maior frota desse tipo de aeronave é a United, com 28 Boeing 787 Dreamliner na frota, e em seguida a American Airlines com 15 aeronaves desse tipo em sua frota.

Em 2013, a FAA ordenou as companhias aéreas para evitar voar com aeronaves 787 e 747-8 equipadas com motores da GE, perto de trovoadas. Mesmo em temperaturas abaixo de zero, a umidade das tempestades poderiam entrar nos motores e causar uma perigosa formação de gelo, disse a FAA. O motor GEnx-1B já registrou mais de 3 milhões de horas em mais de 250 aeronaves, desde que entrou em serviço.

Não há relatos de outros problemas com o motor GEnx que equipa o Boeing 747-8.

 

Fonte- FAA

COMPARTILHAR