A Força Aérea Brasileira (FAB) deve receber em 2018 as duas primeiras unidades da aeronave KC-390. Considerado projeto estratégico da FAB, o maior avião militar produzido no Brasil, promete ser o principal vetor da aviação de transporte militar no país, está em destaque na feira de segurança e defesa que se inicia nesta terça-feira (04/04) no Rio de Janeiro (RJ).

“É um projeto importantíssimo e está em fase final de desenvolvimento. Nós já devemos ter a aeronave operando em nossas organizações a partir de meados do ano que vem”, afirma o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato.

Com capacidade multimissão, o cargueiro e reabastecedor tem programado para este ano uma bateria de campanhas de ensaio. “A próxima fase é a certificação. Estão sendo realizados voos para aferir a qualidade dos lançamentos de carga, do reabastecimento em voo, do pouso em pistas com efeito de ventos cruzados, dentre outros ensaios, como emissão de campos magnéticos intensos para verificar a robustez da aeronave quanto a esses efeitos”, explica o Coronel Samir Mustafa, gerente do projeto na Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC).

Segundo KC390 à direita da foto. Foto – Embraer

De acordo com a fabricante, a Embraer, os dois protótipos contabilizaram até março mais de 900 horas de voo. No total, as duas aeronaves devem chegar a duas mil horas em campanhas de testes. O cronograma deste ano prevê testes em pistas sob efeito de ventos cruzados, que já estão sendo realizados no sul do Chile, operações em condições de gelo, previstas para serem realizadas nos Estados Unidos, gelo artificial e certificação dos sistemas de combustível, aviônico e de pressurização.

No segundo semestre deste ano deve ser realizada a campanha de testes avançados de reabastecimento em voo. A primeira fase, realizada em fevereiro, avaliou o contato em seco, ou seja, sem a transferência efetiva de combustível.

Foto – FAB/Embraer

O processo de certificação, previsto para 2018, será realizado em duas etapas. Uma delas estabelece a homologação da aeronave no âmbito da aviação civil e contempla itens básicos de missão militar com características fundamentais para o voo, atestando segurança, qualidade de voo, possibilidade de reabastecimento em voo, transporte de cargas e lançamento.

A outra prevê a integração de todos os sistemas de missão. “A Final Operation Capability [Capacidade Operacional Final] prevê integrar todos os sistemas de missão da aeronave que tem o caráter especificamente militar”, afirma o gerente.

 

Veja o vídeo abaixo sobre a participação do KC-390 na LAAD 2017, a maior feira de defesa da América Latina.

 

Via – Força Aérea Brasileira

This post is available in: pt-brPortuguês