Depois de um pequeno atraso, a GE realizou ontem o primeiro voo do motor GE9X, instalado em um Boeing 747-400 de teste. 

O primeiro voo ocorreu próximo das 10h40, em Victorville (CA). De acordo com a GE o voo ocorreu com sucesso, de acordo com o esperado pela equipe de desenvolvimento.

Durante o voo, a equipe realizou vários testes básicos de operação e funcionamento, de forma à coletar dados, que serão utilizados para a GE prosseguir com os outros voos de testes do GE9X.

O primeiro voo do GE9X durou mais de quatro horas. A GE espera que o programa de testes em voo dure pelo menos até o início de 2019, enquanto também realiza testes em solo com outras unidades para certificar a aeronave no próximo ano.

 

Os testes em voo são realizados para verificar o comportamento do motor de acordo com a altitude, e também em condições adversas, como sob efeito de força G e com presença de chuva.

Esse motor instalado é o quarto fabricado pela GE, os outros três estão sendo usados em testes no solo, boa parte deles autodestrutivos, onde a fabricante coloca seu produto no limite. O primeiro protótipo está sendo usado para testes em condição de gelo, em Winnipeg, Canadá. Já o segundo protótipo está demonstrando as condições de desempenho, para a certificação da FAA em 2018, incluindo os limites operacionais do motor.

Foto – GE Aviation

Esse motor se destaca por ser o maior turbofan do mundo até hoje criado, apesar da sua potência ser menor quando comparada com o irmão GE90-115, a menor potência é suficiente para mover o novíssimo 777X, que a Boeing estreará em 2019, visto que essa aeronave conta com vários pontos para diminuir o peso da mesma.

O GE9X é capaz de oferecer um empuxo de 105.000 lbs, esse valor é um pouco abaixo quando comparado com o GE90-115B, que dispõe de 115.000 lbs de empuxo. Porém o novo motor da GE pode ser até 15% mais eficiente quando comparado ao irmão mais velho. 

Entre as características de destaque do novo motor está o fan frontal, feito com uma nova geração de materiais compostos, uma nova câmara de combustão TAPS III, melhor do que a usada nos motores GEnx, e materiais CMC na turbina e na área de combustão.

A GE tem 700 encomendas para os motores GE9X, sem contar as unidades sobressalentes para manutenção.

 

Atrasos

Em fevereiro a GE (General Electric) declarou que adiou o primeiro voo experimental do motor GE9X, que vai equipar o 777X, para arrumar problemas de projeto, detectados durante a fase de testes em solo.

Além disso a GE preferiu fazer uma manutenção preventiva nos outros três motores CF6 que ajudarão nos voos de testes, eles equipam o 747-400 da empresa, que serve como uma “plataforma de ensaios em voo”.

O problema localizado no motor GE9X está relacionado ao lever arms that actuate the rows of variable stator vanes (VSV), um dispositivo responsável por modular o fluxo de ar no compressor de alta pressão, composto por 11 estágios. A equipe de desenvolvimento determinou a substituição do componente por outro, projetado com as melhorias realizadas pelos engenheiros. O novo VSV é mais resistente, e tem maior durabilidade.

Por enquanto a GE ainda está decidindo se os testes serão iniciados com o projeto antigo do VSV, dependendo essa alteração pode modificar o fluxo de ar do motor, e gerar dados distintos, em comparação com um motor atualizado. Os motores de linha de produção serão equipados com essa atualização.

Apesar do indício de ocorrer um atraso no projeto, a GE disse que essa alteração não atrasará o primeiro voo do Boeing 777X, que está programado para fevereiro de 2019. A Boeing vai receber ainda em 2018 as primeiras unidades do GE9X, para usar em sua frota de testes.

A GE ainda destacou que esse problema é mecânico, e não altera o projeto e os conceitos básicos do motor. O problema foi descoberto em dezembro, durante testes com a segunda unidade fabricada do GE9X, o voo será realizado com a quarta unidade de testes.

Durante um A-Check, que é feito a cada 600 horas de voo, a GE descobriu alguns problemas nos motor CF6 que estavam equipando a aeronave. Havia indício de corrosão nas pás do fan frontal.

Para manter a segurança e o cronograma sem interrupções no futuro, a GE preferiu substituir os componentes.

 

O GE9X no Boeing 747-400

Foto – GE Aviation

A diferença de tamanho entre os motores é nítida, o novíssimo GE9X foi montado onde antes era o motor nº2, na asa esquerda da aeronave, tomando como referência o comandante em seu assento. A diferença, como citada, é com base no motor que equipa o Boeing 747-400, um GE CF6 de 63300 lbf de empuxo que fica pequeno, perto do turbofan que usa tecnologia Ultrafan para gerar 105 mil lbf.

São 134 polegadas de diâmetro do fan frontal, com a carenagem isso resulta em um motor com 174 polegadas, aproximadamente 4,42 metros. O motor é tão grande que a Boeing precisou modificar a forma como ele é fixado na asa do 777.

O pylon utilizado tem 5,79 metros de comprimento, ele usa a mesma filosofia que será incorporada no 777X, com a parte frontal acima da linha de fixação.

Para instalar esse motor a GE precisou fazer modificações na asa do 747, que recebeu reforços para suportar a maior vibração e peso do novo propulsor. Tais procedimentos são para garantir que tudo funcionará perfeitamente durante o período de testes.

 

Vídeo – O GE9X

 

Vídeo – Alguns testes do GE9X (FETT)

 

Vídeo – Teste de formação de gelo

 

This post is available in: pt-brPortuguês