Muitos sabem, o Boeing 737 MAX é bastante econômico e oferece um aumento considerável no alcance de voo da aeronave, e isso permite que as companhias usem a aeronave como antes não conseguiam com o 737 NG.

Por isso a GOL focará em voos para os Estados Unidos em 2018, de acordo com Eduardo Bernardes, vice-presidente de Vendas e Marketing da GOL. Os novos voos serão operados com o 737 MAX e só acontecerão assim que essas aeronaves já estiverem na frota.



Diferente dos voos anteriores a GOL dessa vez vai apostar em algo sem escalas para reabastecimento, justamente pela maior autonomia desta aeronave. Exceção para os voos partindo de Guarulhos, visto que o 737 MAX não tem capacidade de cumprir esse trecho (até Miami) sem uma parada para reabastecer.

Outro destaque fica para a Flórida, onde a GOL poderá voar sem escalas a partir de Brasília e de cidades do Norte e Nordeste, até então a GOL realizava voos para a Flórida com uma escala no Caribe, mas com o 737 MAX 8 isso não será necessário.

Os 737 MAX da GOL serão configurados com 186 assentos da Recaro, e isso não significa uma diminuição no espaço, visto que o interior do 737 MAX foi re-planejado para transportar até 199 passageiros, o 737 NG só leva até 189. Com o menor consumo e maior disponibilidade de assentos, a GOL também conseguirá oferecer uma tarifa baixa para esses voos.

Anteriormente o presidente da companhia, Paulo Kakinoff, afirmou que a GOL expandirá bastante as rotas internacionais da empresa em 2018, com a chegada de novos aviões da linha 737 MAX, isso levou até mesmo a uma revisão do planejamento estratégico da companhia aérea.

Antes o 737 MAX precisa passar por uma validação para saber se a aeronave é capaz de cumprir esses voos. O novo 737 MAX 8 tem cerca de 1000 km a mais de autonomia (comparando com o 737-800), permitindo voos de até 6500 km sem contar as reservas.

 

Encomendas e entregas

A GOL receberá cinco aviões 737 MAX 8 em julho de 2018, da encomenda para 120 aviões desse modelo. O planejamento é receber 25 aviões da linha 737 MAX até o final de 2020, as outras aeronaves serão entregues entre 2020 e 2028, elas serão para expansão da frota e substituição da atual frota de jatos da linha 737 NG.