Ao longo dos três dias do Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, a Força Aérea Brasileira (FAB) coordenou 140 voos de helicópteros que tiveram como destino o Autódromo de Interlagos, em São Paulo. De acordo com a organização, o evento, realizado entre 11 de 13 de novembro, recebeu cerca de 120 mil espectadores. O local fica 20 km distante do centro da capital paulista.

A demanda aérea na região motivou o Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV-SP) a planejar uma operação especial para controlar as aeronaves e garantir a segurança nas operações aéreas aos pilotos e usuários do serviço.

“A operação não se limitou apenas aos dias do evento, além do planejamento e logística para instalação de equipamentos, promovemos um briefing operacional aos aeronautas que voariam durante o GP para entenderem como seriam os procedimentos de pouso e decolagem em Interlagos”, ressalta o Tenente-Coronel Aviador Chrystian Alex Scherk Ciccacio, Chefe da Divisão Operacional do SRPV-SP.

Foto - Força Aérea Brasileira/Divulgação
Foto – Força Aérea Brasileira/Divulgação

A estrutura da “Torre Lagos”, como foi chamada, foi montada em um container elevado e instalada no kartódromo, que fica ao lado do autódromo. Estação meteorológica de superfície, rádio VHF e telefonia foram operados por 20 profissionais da área técnica e operacional da FAB.

“O mau tempo típico desta época do ano e a localização de Interlagos demandam uma coordenação do piloto com o controlador de tráfego aéreo que detém a informação de meteorologia, pátio de estacionamento e circulação de aeronaves de segurança pública e de emergência”, afirma o coordenador da operação, Major Especialista em Controle de Tráfego Aéreo Ubiraci da Silva Pereira.

 

Via – Força Aérea Brasileira

COMPARTILHAR