Nesta quinta-feira (02/02), a IATA (Associação Internacional dos Transportes Aéreos) divulgou os resultados do transporte aéreo mundial, com os dados de vários países e companhias aéreas. A primeira novidade é boa, o tráfego aéreo de passageiros cresceu 6,3% em relação a 2015 e bateu um novo recorde com R$ 3,7 bilhões de passageiros transportados em todos os países.

A taxa média de ocupação dos voos foi de 80,5%, enquanto a oferta subiu 6,2%, acompanhando portanto a demanda global. No mercado de voos entre países a demanda cresceu em 6,7% enquanto a oferta subiu em 6,9%.

O maior crescimento (em RPK) se registrou no Oriente Médio, com 12,9% de alta. O mercado da Ásia-Pacífico acompanhou com +11,2% e a força das Low Cost europeias conseguiram subir o tráfego em 10,7% na Europa. Ao contrário do que seria previsto, o mercado de aviação na América do Norte registrou o pior crescimento entre todos, com somente 3,1% a mais de passageiros transportados em relação a 2015. A América Latina teve crescimento de 5% em 2016.

O presidente da IATA, Alexandre de Juniac, relatou que houve uma diminuição de US$ 44 no valor médio das passagens em 2016. Ao mesmo tempo o mercado de voos entre países teve 700 novas rotas no ano passado.

“Como resultado, chegamos a um recorde de 3,7 bilhões de passageiros voando seguramente aos seus destinos, e a demanda por transporte aéreo seguirá expandindo. O desafio para os governos é trabalhar com a indústria para entregar a infraestrutura necessária para acomodarmos este crescimento, além de regulações que facilitem ainda mais o setor. Se chegarmos à esta equação, teremos um enorme potencial de segurança e a possibilidade de a indústria criar ainda mais vagas de trabalho”, disse Alexandre de Juniax.

No Brasil o resultado desaponta assim como divulgado pela ANAC recentemente, o mercado de aviação retraiu em 5,5% em passageiros transportados no ano passado, a oferta de assentos retraiu mais do que a demanda, porém a taxa de ocupação dos voos no Brasil acompanha o resto do mundo e está adequado a diminuição dos custos nos voos.

 

*RPK – Passageiros transportados por quilômetros pagos

COMPARTILHAR