Aeronaves Não categorizado News

Irã estuda produzir jato regional para até 70 passageiros

Temos a esquerda o AN140 construído em solo iraniano e a direita o AN140 construído em solo ucraniano.
Temos a esquerda o AN140 construído em solo iraniano e a direita o AN140 construído em solo ucraniano.

O Irã está estudando a viabilidade de produzir um jato regional utilizando tecnologias, e até mesmo partes de estruturas que foram adquiridas durante o programa de Irã 140 utilizando os meios nacionais. O estudo começou em 2013, logo após o estabelecimento da tecnologia iraniana de Aviação e a construção da Sede de Indústrias e desenvolvimento baseado no conhecimento (IATDH). – eita sigla grande para uma indústria-

O órgão governamental, sediado em Teerã, é supervisionado pelo vice-presidente do país, o cargo atualmente ocupado por Soren Sattari, que liderou a delegação iraniana no MAKS 2015 em Moscou, no início deste ano. Naquela época, ele se reuniu com o presidente russo, Vladimir Putin e outros líderes governamentais e da indústria russa para discutir a cooperação entre os dois países nos domínios da aviação e do espaço. IATDH lidera e coordena os esforços de diversas organizações científicas e industriais nacionais com o objectivo de tornar a indústria local mais competitiva e potencialmente capazes de construir uma aeronave de passageiros. Tarefas que estão sendo definidas e tratadas pelo grupo incluem “projeto conceitual, preliminar e detalhado de aviões de transporte de até 150 assentos.”

Para isso, os iranianos têm alcançado níveis variados de desenvolvimento em diversas áreas, incluindo materiais compósitos, motores turbofan além dos controles de vôo e sistemas de navegação. Outros projetos incluem a gestão da vida de um produto (PLM) e gestão de dados de um produtos (PDM) em software CATIA amplamente utilizado pela indústria aeronáutica e automotiva no ocidente, a concepção e produção de um receptor GPS de Glonass para aplicação na aviação. A indústria iraniana há muito tempo planejava iniciar a produção de aeronaves regionais competitiva no mercado do oriente e que substituiria envelhecimento das frotas de Fokker F27, 50 e 100 em suas companhias aéreas. No entanto, as grandes esperanças apostada no Antonov AN140 de 48 lugares não foi concretizada. Na verdade, planta HESA do Irã conseguiu produzir apenas uma dúzia de aviões de projeto ucraniano.

A cooperação industrial entre o Irã e a Ucrânia no domínio aeroespacial tornou-se mais difícil de se concretizar e desenvolver depois que o novo regime em Kiev decidiu seguir um curso pró-ocidental. Como resultado, o Irã procura cada vez mais a Rússia quando se trata de aviação e setor espacial. De acordo com um representante do IATDH, o Irã começou a trabalhar em dois projetos para aeronave de passageiros. A primeira, que ele chama de um avião com motor turboélice que levaria de 12 a 19 assentos, asas alta e trem de pouso não retrátil . A segunda tem a forma de um jato “completamente primitivo”. No entanto, os designers têm a sua estrutura baseada no Antonov An-140, sendo que o novo design copia fuselagem e asas. A capacidade nominal irá variar de 68 a 72 passageiros, através de uma expansão na fuselagem do An-140. O representante do IATDH disse que o conceito demonstra apenas uma das opções em estudo. Irã pode optar por desistir de fazer uma versão do AN140, ao mesmo tempo, o Irã quer desenvolver capacidades internas ao invés de construir aviões sob licença, observou ele.

About the author

Pedro Viana

Pedro Viana

Acadêmico de Engenharia Aerospacial - Editor de foto e vídeo - Fotógrafo - Aeroflap

Newsletter

[newsletter_signup_form id=1]

Facebook

Em busca de hotel?


Share This