A Jetblue está reavaliando a sua encomenda de aeronaves A321neo, tudo porque o motor PW1100G da Pratt & Whitney que continua fornecendo os mesmos problemas que estão apresentando na família A320neo. A companhia classifica a troca de encomendas como um “ato prudente” e também “bom planejamento de contingência”, de acordo com a avaliação do diretor financeiro da JetBlue, Steve Priest.

Infelizmente a JetBlue não deu mais detalhes sobre os problemas que a pratt & Whitney está enfrentando com os motores do A321neo, porém a companhia chamou a P&W de grande parceira e que confia nas soluções prestadas pela fabricante. 

A JetBlue está confiante que a Pratt & Whitney será capaz de entregar 400 motores neste ano. Enquanto isso a companhia alterou 3 encomendas do A321neo para o A321ceo, com expectativa para receber em 2018. Agora a companhia planeja receber 11 aviões A321ceo no próximo ano, em vez de três A321neo e oito A321ceo.

No total a JetBlue tem 60 aviões Airbus A321neo e 25 A320neo encomendados, a companhia escolheu o motor da Pratt & Whitney para propulsionar a maioria dos seus jatos Neo. A companhia adiou a maioria das entregas de aviões da linha neo. Com isso o primeiro A321neo deverá ser entregue para a JetBlue somente em 2019, ano em que a companhia irá receber 13 aeronaves desse modelo, que pode incluir também o modelo A321neo LR, com alcance estendido e capaz de realizar voos da costa leste dos EUA até a Europa.

A321neo da Virgin America. Foto – Airbus

A primeira entrega do A321neo ocorreu para a Virgin America, algumas semanas atrás, a primeira aeronave estava equipada com motores CFM Leap-1A, um ato estranho, visto que a primeira aeronave A321neo certificada estava equipada com motores Pratt & Whitney, e logicamente a primeira entrega deveria ser de uma aeronave com essa motorização. Na época a Airbus não comentou porque estava entregando primeiro um A321neo motorizado com CFM Leap-1A.

Pelo que se sabe até então, os motores Pratt & Whitney Pure Power estão apresentando vários problemas pelas companhias que operam com o avião, recentemente a Spirit Airlines reportou que paralisou parte da sua frota devido à problemas identificados como “Motor Oil Chip Detected” nos seus motores Pure Power, diferente de todos os problemas relatados anteriormente sobre o motor PW1100G, que equipa as aeronaves A320neo.

Em detalhe, motor da Pratt & Whitney equipando um Airbus A320neo.

Companhias aéreas da Índia relataram problemas de atrito excessivo no motor, desgaste excessivo da câmara de combustão, e também defeitos na caixa de engrenagens. A P&W também solicitou que as companhias realizem reparos antecipadamente em motores que equipam as aeronaves CSeries, da Bombardier.

 

This post is available in: pt-brPortuguês