A LATAM Brasil informou hoje (07/12) que a internacionalização do aeroporto de São Carlos (SP) deve tornar o Centro de Manutenção da LATAM (MRO) mais competitivo mundialmente.

Isso se dá em razão da redução dos custos operacionais adicionais exigidos com taxas aduaneiras, diárias, improdutividade dos aviões, combustível, pousos, decolagens e tripulação das aeronaves que saem de outros países para acessar os hangares de manutenção da LATAM MRO. A economia se inicia já em fevereiro de 2018 e poderá atingir até R$ 8,3 milhões em 2021.

Estes custos adicionais têm relação direta com as restrições legais que obrigavam as aeronaves provenientes do exterior a realizarem o desembaraço aduaneiro em aeroportos internacionais do Brasil, antes e depois do MRO, tais como no Rio de Janeiro/Galeão, São Paulo/Guarulhos ou São Paulo/Viracopos, por exemplo. Agora, com a internacionalização, as aeronaves irão direto para São Carlos, reduzindo de quatro para um dia o período de desembaraço aduaneiro.

“Ao tornar o processo mais rápido e eficiente, projetamos um crescimento de 14% da demanda por manutenções pesadas das nossas aeronaves em São Carlos”, diz Alexandre Peronti, diretor geral do Centro de Manutenção da LATAM (MRO). “Seremos responsável por 64% das manutenções do Grupo LATAM, mantendo anualmente no país R$ 63 milhões, que seriam gastos contratando empresas externas para realizar estes checks”, completa.

Segundo o executivo, além de ganhos para a empresa, toda a região de São Carlos será beneficiada com a projeção de abertura de novos postos de trabalho nos próximos anos.
Nos últimos anos, o Grupo LATAM atuou em duas frentes para preparar o MRO para este momento de aumento de demanda a partir da internacionalização do aeroporto local. A primeira frente consistiu em um amplo e detalhado plano de aproveitamento de recursos e revisitação de processos internos. Com isso, o tempo de manutenção de um jogo de trem de pouso, por exemplo, foi reduzido de 90 para 45 dias.

Outra frente envolveu a alocação de recursos da empresa. Ao todo, foram investidos R$ 10 milhões nos últimos dois anos para aumentar três novas posições para manutenção simultâneas. Dessa forma, hoje, o MRO tem capacidade de realizar ao mesmo tempo nove checks. Além das posições, o Centro possui mais 24 oficinais, nas quais os técnicos executam trabalhos que envolvem alta tecnologia, como reparo, revisão e teste de componentes de eletrônica, hidráulica, trem de pouso, pneumática, reversores, entre outros.

Atualmente, o Centro de Manutenção da LATAM em São Carlos é responsável por realizar 50% das manutenções das 306 aeronaves do Grupo LATAM. Em 2016, o centro realizou 225 checks, dos quais foram revisados mais de 48 mil componentes, que demandaram 420 mil peças novas. Cenário bastante distinto de quando o MRO foi implementado, há 16 anos, quando foram realizados apenas 28 checks durante o ano em apenas um hangar

COMPARTILHAR