Ontem o Grupo LATAM surpreendeu o mercado ao anunciar sua nova grande alteração de serviços para os passageiros em rotas domésticas nos seis países onde opera na região. A mudança será feita por país e por etapas a partir do primeiro semestre de 2017, o Brasil será um dos primeiros de acordo com Claudia Sender, CEO da LATAM Brasil.

Serão parte desta nova proposta o acesso a tarifas mais econômicas e a uma nova forma de comprar bilhetes, na qual o passageiro escolhe por quais serviços quer pagar. Além disso, também será feita a incorporação de tecnologias que melhorarão a experiência de viagem, como o sistema de entretenimento de bordo sem fio gratuito já disponível em todos os voos. 

“Nosso objetivo é que as tarifas sigam diminuindo, permitindo que cada vez mais pessoas utilizem o avião como meio de transporte e que aqueles que já o utilizam possam voar ainda mais. Este modelo busca satisfazer as necessidades dos nossos passageiros atuais, que valorizam viagens rápidas, simples e eficientes, tomam suas próprias decisões e querem ter as ferramentas para participar ativamente de sua experiência e assim fazer uma viagem sob medida, pagando somente pelos serviços que utilizarão”, disse Enrique Cueto, CEO da LATAM. 

Os clientes terão acesso a um novo fluxo de compras mais simples, que permitirá a escolha da tarifa de acordo com o tipo de viagem. Também poderão optar pelos serviços adicionais, que serão pagos, assim como desejarem, isso inclui desfrutar de uma ampla variedade de refeições a bordo, escolher o assento favorito no avião, poder mudar o voo ou devolver o bilhete. Desta forma, o novo modelo de vendas será mais transparente em relação às tarifas existentes e sobre o que está incluso em cada uma delas.

Com esta mudança, a LATAM e suas filiais projetam reduzir em até 20% as tarifas mais baratas disponíveis para seus voos domésticos até 2020.

“Como a frequência de voos na região continua sendo muito inferior a de países como os Estados Unidos e a Inglaterra, onde as taxas superam duas viagens anuais por pessoa, a América Latina ainda tem muito potencial de crescimento. Por isso, com esta nova forma de viajar, estima-se um aumento de até 50% no volume de passageiros transportados até 2020, mantendo o Grupo LATAM como um protagonista do crescimento do tráfego aéreo nesta região do mundo”, acrescenta Cueto.

No final, a LATAM, que hoje tem assentos abaixo da classificação B da ANAC, reduzirá ainda mais os seus serviços para os passageiros ao tornar opcional o serviço de alimentação a bordo, além de cobrar por marcação de assento antes do voo. Apesar disso a companhia espera reduzir o valor das passagens aéreas em relação as suas concorrentes, e assim beneficiar o passageiro que precisa de uma tarifa de baixo custo.

A CEO Claudia Sender afirma que a companhia não irá mexer na franquia de bagagem, hoje regulada pela ANAC aqui no Brasil. 

No Brasil a LATAM é a única que implementará essa medida no Brasil. Outras companhias como a Avianca, Azul e GOL preferiram aumentar a oferta gratuita de serviços para os passageiros nos últimos 5 anos.

COMPARTILHAR