A Airbus iniciou 2018 com um grande problema de produção, a empresa estava com uma limitação física da sua produção de aviões da família A320, e para piorar, a Pratt & Whitney atrasou a entrega dos motores PW1100G.

Isso tudo acarretou um grande problema para a Airbus resolver, a empresa precisava atingir sua meta de produção no ano, e toda a família Airbus A320 representava mais de 70% das entregas planejadas. Ou seja, a Airbus precisaria correr contra o relógio.

A empresa continuou fabricando aviões normalmente, mesmo sem os motores. Mais de cem aeronaves ficaram estocadas em Toulouse no primeiro semestre, aguardando os motores da Pratt & Whitney. Essa logística diferenciada permitiu que a empresa reduzisse o tempo de espera para a entrega do avião ao cliente, após receber o motor, caso a Airbus tivesse optado por esperar receber os motores para então fabricar as aeronaves, o resultado de todo o atraso seria bem pior.

Logicamente fabricar aviões sem receber por isso resulta em custos adicionais para o caixa da empresa, mas incrivelmente no segundo trimestre de 2018 a Airbus mostrou bem como conseguiu contornar este problema.

Ao contrário do previsto por especialistas de finanças do setor, a receita da empresa aumentou em relação ao mesmo período de 2018, e o lucro acompanhou esta tendência.

Os analistas previam, em média, um lucro operacional ajustado de 1,01 bilhão de euros, com receita de 14,55 bilhões de euros, de acordo com uma pesquisa da Reuters.

Mas a Airbus apresentou um lucro operacional ajustado no segundo trimestre de 1,15 bilhão de euros (1,35 bilhão de dólares), o dobro em comparação com o mesmo período de 2017, enquanto a receita subiu 8%, para 14,85 bilhões de euros.

A Airbus entregou 303 aeronaves no primeiro semestre, e ainda precisa fabricar mais 497 aviões no segundo semestre para atingir sua meta anual.

O destaque do segundo trimestre é que pela primeira vez a Airbus entregou mais aviões da família A320neo do que a geração anterior, A320ceo.

A empresa também inaugurou um moderno centro de montagem final da família A320neo em Hamburgo, que vai permitir fabricar mais 10 aviões por mês. Você poderá conferir mais sobre isso em uma matéria especial que será postada em breve aqui no Portal Aeroflap.

This post is available in: pt-brPortuguês