David Neeleman está esperançoso com o mercado de aviação no Brasil, o atual CEO da Azul Linhas Aéreas concedeu uma entrevista ao portal Skift  relatando o atual mercado de aviação com a Azul.

Neeleman destacou especialmente o drástico aumento nas taxas de câmbio durante 2015 e 2016, com uma redução nos últimos meses. Na avaliação do CEO da Azul isso foi positivo, porque cerca de 65% dos custos da Azul estão cotados em Dólar Americano. Ao mesmo tempo Neeleman afirmou que a Azul não conseguiu superar a perda de receita, causada enquanto o dólar estava cotado próximo de R$4,00, atualmente a moeda está cotada próxima de R$3,20.

O CEO da Azul completou a primeira pergunta afirmando dados sobre a demanda da companhia, ele disse que não houve queda de demanda e inclusive a Azul trabalhou com o valor médio de 400 dólares por bilhete de longa distância no período mais crítico da crise econômica. Mesmo com a queda no valor do querosene e também nas taxas de câmbio o bilhete médio já subiu de valor, devido ao aumento de demanda nos últimos meses.

_DSC1917e

Durante a entrevista Neeleman também esclareceu alguns assuntos sobre a forte regulamentação do mercado aéreo brasileiro, que impede as companhias aéreas de venderem outros serviços que hoje são obrigatórios, como por exemplo a venda de espaço para bagagens e outros serviços, como o check-in no aeroporto. De acordo com o CEO se os serviços forem reduzidos ao máximo é possível cobrar menos por cada passagem.

Em 2015 a Azul Linhas Aéreas teve prejuízo de R$ 754 milhões nas suas operações, foi um dos piores anos desde sua fundação, em 2008.

Neeleman também relatou algumas alterações na TAP, recém adquirida por ele, e sobre a situação do mercado de aviação americano.

 

Fonte – Skift

COMPARTILHAR