A Embraer está planejando substituir as aeronaves mais antigas da Bombardier com uma nova versão do E175, ao mesmo tempo que se enquadra nas leis trabalhistas do EUA para a aviação regional.

Com o E175-SC, configurado com somente 70 lugares assim como a extinta versão E170, a Embraer quer ofertar um produto ainda mais eficiente em comparação com o CRJ 700 da Bombardier. Tudo isso pois para a Embraer, há uma movimentação das companhias para substituir as aeronaves mais antigas, como os ERJs e os CRJs.

A lei americana também limita o número de assentos para o incentivo de voos regionais, nessa situação as companhias não podem ter jatos com mais de 76 assentos.

A primeira companhia americana que encomendou o E175-SC foi a Skywest Airlines, neste mês. As primeiras entregas começarão em 2018.

No geral o E175 configurado com 70 assentos usa a mesma fuselagem e melhorias do E175, incluindo as novas winglets. A diminuição de assentos é obtida através de um novo arranjo interno das duas classes, tipicamente o E175 normal pode transportar até 76 passageiros em uma configuração padrão da Embraer em duas classes, ou até 88 em configuração de alta densidade.

Foto – American Airlines

Mas a Embraer relatou que as companhias podem solicitar um E175-SC com 76 assentos, com penalização para a classe econômica, enquanto os assentos de primeira classe ganham 5 cm a mais em relação ao CRJ 700.

As melhorias incorporadas pela Embraer no E175, através de um pacote nomeado como “Economy pack”, é possível obter um consumo até 5,5% menor por voo, isso em comparação com o primeiro E175 fabricado, o problema das companhias americanas é que a maioria das suas aeronaves não têm essas atualizações.

Esse é um mercado importante para a Embraer, a fabricante brasileira chegou a adiar o projeto do E175-E2 por indefinições dos EUA sobre o incentivo para voos regionais. As companhias aéreas americanas e canadenses operam cerca de 340 aeronaves na categoria de 70 lugares, incluindo 280 aviões da linha CRJ700 e cerca de 60 da linha E170.

“A maior oportunidade, acreditamos, é o mercado de 70 assentos. Atualmente existem mais de 300 aviões no mercado da América do Norte”, disse o chefe de vendas e marketing da Embraer na América do Norte, Charlie Hillis. “Muitos são velhos e precisam ser substituídos. Temos a ferramenta perfeita para isso”.

 

A Bombardier

Com ampla vantagem na categoria de 70 assentos, a Bombardier não deixou passar a oportunidade e lançou uma versão do CRJ 700 com atualizações de interior, o novo design “Atmosfera” agora é oferecido como padrão, com melhorias na iluminação interna, incorporação de tomadas nos assentos, e maior espaço para bagagem de mão no compartimento superior.

Essa atualização também vale para os CRJ900 e CRJ1000. Nenhuma atualização de consumo de combustível foi apresentada, ao contrário da Embraer.

 

COMPARTILHAR