Recentemente a OGMA entregou para a Embraer mais componentes para o KC-390, porém esses são destinados para o segundo avião de série, que fará para da frota da Força Aérea Brasileira. Alguns componentes da primeira aeronave de série fabricada também foram produzidos pela OGMA, uma empresa portuguesa especializada em estrutura.

Para a segunda aeronave a OGMA produziu mais de 10 painéis que compõem a fuselagem central da aeronave, além da porta do trem de pouso, conhecida como carenagem do trem de pouso, que são construídas em material composto para alívio de peso e maior durabilidade da peça. A planta da OGMA é especializada na produção de painéis compostos, a Embraer também escolheu a empresa para fabricar partes em material composto do E175 E2.



Cada carenagem do trem de pouso tem cerca de 12 metros depois de finalizada, a OGMA chama isso de “conjunto estrutural do trem de pouso”. Outro componente fabricado pela empresa de Portugal são os profundores do KC-390, que são feitos em peça única, e por isso têm uma grande dimensão.

Foto – Embraer

De acordo com a Ana Isabel Fernandes, Chief Operations Officer (COO) da OGMA, “a entrega do segundo ‘kit’ de componentes para a produção em série do KC-390 espelha a competência técnica e humana da OGMA no domínio das aeroestruturas e sublinha o papel que vem desempenhando desde o arranque do projeto para que o KC-390 seja um marco incontornável no panorama aeronáutico internacional”.

Todas as peças serão transportadas em caminhões especiais até o Porto de Lisboa, visto que a grande dimensão delas não possibilita um transporte normal. Não foi divulgado o lugar que as peças chegarão aqui no Brasil.

A primeira certificação do KC-390 está programada para ocorrer neste ano, com as entregas iniciando já em 2018 para a Força Aérea Brasileira.

Atualmente a OGMA tem 1700 funcionários e 65% da sua propriedade na mão da Airholding SGPS, uma empresa que é 100% Embraer, sendo que os outros 35% pertencem ao Governo Português.