Como modo de retaliar o recente imposto de 25% aplicado aos produtos chineses nos Estados Unidos, a China pretende também tarifar os aviões Boeing 737 NG que são exportados para o país, e usados pelas companhias aéreas.

O documento apresentado pelo Ministério do Comércio da China também poderá taxar qualquer aeronave americana com peso maior que 15000 até 45000 kg, quando vazio.



O problema da Boeing é que os aviões 737-800 e 737-900ER são amplamente usados na China, e estão no limite dessa

Além dos aviões da Boeing, é possível que essa sobretaxa também afete os aviões executivos de médio porte e helicópteros, fabricados nos Estados Unidos. A linha 737 MAX não será afetada pois tem peso vazio maior que 45000 kg (exceto o 737 MAX 7).

Essa medida é uma retaliação aos Estados Unidos, que incluíram na sua lista de mais de 1200 produtos taxados veículos aeronáuticos, como helicópteros, aeronaves e motores.

O problema para a Boeing é que as companhias aéreas da China são uma grande operadora das aeronaves da linha 737, apesar de não afetar a nova geração, que tem uma quantidade maior de encomendas. Até 2036 as companhias aéreas da China precisarão de até novas 7240 aeronaves, em um mercado disputado no momento pela Airbus, que tem linha de montagem na China, e a Boeing.

 

Via – FlightGlobal