Nesta semana a Pratt & Whitney divulgou que resolveu os problemas de produção do motor PurePower que equipa o Airbus A320neo, tais problemas estavam diminuindo o número de componentes produzidos e consequentemente atrasando as entregas do Airbus A320neo e também do Bombardier CSeries.

Com esse empecilho resolvido há algumas semanas, a Pratt & Whitney agora conseguirá entregar até 400 motores em 2017, que equiparão cerca de 150 aviões da Airbus e Bombardier, além de substituir as primeiras versões defeituosas que a empresa fabricou e estavam causando problemas para algumas companhias aéreas.

Em junho, a P&W revelou que um “problema de qualidade” proveniente de um fornecedor interrompeu as entregas do motor PW1100G para a Airbus por algumas semanas. Os componentes fornecidos foram recusados pela Pratt & Whitney, alegando que os requisitos das peças não estavam de acordo com o solicitado.

Mesmo com todos os problemas a P&W fabricou 140 motores da família PurePower no primeiro semestre de 2017, mas agora precisará fabricar mais 210 para atingir a meta mínima de 350 motores produzidos em 2017.

O motor Pratt & Whitney PurePower equipa as aeronaves da família A320neo, Bombardier CSeries, Embraer E-Jet E2, Irkut MC-21 e Mitsubishi MRJ.

 

 

Certificação ETOPS

Em junho deste ano o motor PurePower PW1100G-JM da Pratt & Whitney recebeu uma certificação ETOPS 180, que permite a aeronave voar por até 180 minutos em áreas sem aeroporto para alternar o voo, dentro de um raio 3 horas de qualquer outro aeroporto. Essa certificação foi emitida pela EASA, em dezembro de 2016 a Pratt & Whitney recebeu a mesma certificação da FAA, a Administração Federal de Aviação dos EUA.

Essa certificação permite que o A320neo ou qualquer aeronave da família, consiga operar voos transatlânticos, bem como em rotas onde não existem aeroportos.

 

Pratt & Whitney continua enfrentando problemas com os motores Pure Power

COMPARTILHAR