A Pratt & Whitney confirmou que os primeiros motores incorporando modificações de hardware foi enviado para a Airbus, e futuramente instalado em um A320neo de testes. Essa nova atualização corrigirá os diversos problemas de start lento do motor Pure Power, o diagnóstico da Pratt & Whitney apontou para um erro que causava um alto desgaste interno dos componentes, quando a partida era iniciado com o motor frio.

Os novos motores recebidos pela Airbus entrarão em testes na fábrica em Toulouse, na França. Após ele irá equipar as diversas unidades da Qatar e IndiGo que estão estocadas por conta desse pequeno defeito que afeta o uso da aeronave. A Lufthansa tornou-se a primeira companhia aérea com um A320neo em sua frota, após a Qatar Airways recusar receber as suas unidades do A320neo com esse problema, de dezembro do ano passado até este mês foi cogitado a possibilidade da Qatar operar com motores CFM Leap 1A, a outra opção que equipa a nova geração do A320.

A Qatar Airways declara que um dos requisitos para ela começar a operar o A320neo é o tempo de start semelhante ao CFM International CFM56 que equipa o A320ceo.

Detalhadamente a Pratt & Whitney tinha um problema na carenagem interna do motor PurePower que entrava em contato com o fan principal, quando o motor estava transição para fase fria (1-2 horas depois de desligado). Dar início ao procedimento de start do motor em menor tempo geraria um desgaste desnecessário na ponta das lâminas, ao mesmo tempo que forçaria o eixo principal do motor.

NjpUs24nCQKx5e1D7eFaDNK6So9WiGhhEj0p9mSiC1O

A solução para a Pratt & Whitney inicialmente foi realizar uma atualização de software para evitar que o start seja realizado de modo incorreto, ou seja, sem realizar o procedimento de girar o fan por 3 minutos, aproximadamente, antes de injetar o combustível, em um motor CFM 56 é possível fazer isso em apenas 50 segundos, de acordo com a Airbus. A Pratt & Whitney na época prometeu uma solução definitiva até o final do primeiro semestre de 2016, que envolve a substituição de peças do PW1100G.

“O tempo para o início real da ignição é a mesma de sempre, cerca de 50 segundos,” disse Danny Di Perna, vice-presidente sênior da Pratt & Whitney. “As mudanças que fizemos para melhorar a durabilidade permite ser mais agressivo no quesito do start. Agora, você tem este novo revestimento de CBN as lâminas podem raspar na carenagem interna do motor”, acrescentou Di Perna, referindo-se ao apuramento no material que compõe as lâminas

Essa atualização de peças do PurePower irá permitir que o tempo desse procedimento caia pela metade, cerca de 90 segundos. Em dezembro será possível iniciar um motor PurePower em somente 50 segundos, semelhante ao seu concorrente CFM Leap 1A, que é oferecido como opção a esse motor no A320neo.

COMPARTILHAR