Indecisa entre dois jatos de grande porte, a Qantas vai decidir somente em 2019 se encomenda o Boeing 777X ou o Airbus A350.

De acordo com a companhia, o interesse geral é para um avião que consiga fazer eficientemente voos sem escalas da Austrália até Londres, já a partir de 2022. Se a Qantas vir a encomendar o novo 777X provavelmente será a versão 777-8X, a menor disponível, no caso da Airbus a Qantas está avaliando o A350-900, a versão do meio em uma versão ULR.



No começo deste ano o presidente-executivo da Qantas , Alan Joyce, desafiou a Airbus e a Boeing a desenvolver aeronaves com capacidade de operar voos de Sidney, Brisbane e Melbourne para o extremo da Europa. A Boeing já conseguiu garantir voos de Perth para Londres com o Boeing 787-9. As equipes técnicas da Qantas estão agora em discussão com a Airbus e a Boeing sobre sua exigência.

Em linha reta, a distância entre Sidney e Londres é de 17000 km, aproximadamente.

A Boeing e a Airbus já bloquearam slots de produção em 2022 e 2023 para a Qantas, de forma a garantir a encomenda, a competição é grande, e a Boeing disse que pode adaptar o 777-8X, com menor fuselagem, para fazer esses voos, enquanto a Airbus disse que se o A350-900 não atingir os requisitos, pode considerar uma redução da fuselagem para aumentar o alcance, com o A350-800 que no momento está com seu desenvolvimento congelado.

Joyce disse que essa competição para enfrentar o desafio da Qantas criou uma boa rivalidade entre as duas fabricantes: “Um dos caras da Airbus disse: Isso é como a corrida espacial- o primeiro vai chegar à lua”, disse o presidente da Qantas.