De uma forma surpreendente, na manhã de hoje seis países próximos ao Qatar (Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos (UAE), Bahrein, Líbia e Iêmen) fecharam as fronteiras e cancelaram todos os voos provenientes do país, bem como aqueles operados pela Qatar Airways. Outras quatro companhias também suspenderam seus voos para o Qatar.

A Qatar Airways cancelou seus voos já marcados para a Arábia Saudita, em forma de retaliação aos voos suspensos pela Etihad, Emirates, Saudia e Flydubai.



A principal causa levantada por esse grupo de países para justificar o fechamento de fronteiras é o apoio do Qatar aos grupos terroristas, como o Estado Islâmico (IS) e a Al-Qaeda. “A Arábia Saudita tomou esta medida devido à série de abusos por parte das autoridades de Doha ao longo dos últimos anos, e por incitar à desobediência e prejudicar a sua soberania”, disse um representante da Arábia Saudita para uma agência de notícias. O país negou essa afirmação em nota oficial.

Ainda de acordo com a CNN, o fechamento de fronteiras é tão grave que os cidadãos do Qatar foram informados de que eles têm 14 dias para deixar a Arábia Saudita, Bahrein e os Emirados Árabes Unidos, enquanto esses países também proibiram seus próprios cidadãos de entrarem no Qatar.

Vale ressaltar que a Emirates fazia o voo mais curto da sua frota com o A380 para Doha (confira mais aqui), para atender a demanda entre os dois países. O voo tinha aproximadamente 1h10 de duração entre Dubai e Doha, e levava cerca de 500 passageiros em cada trecho.

As companhias que cancelaram os voos para o Qatar disseram que vão oferecer outras opções para o passageiro, que inclui até mesmo o reembolso do valor da passagem. A preocupação ainda gira entorno de como isso afetará a economia local do Qatar, visto que além do bloqueio de parte das operações do hub aeroportuário, o país ainda enfrenta quebra de acordos com vários bancos e retirada de investimentos por bilionários.

O Aeroporto internacional Hamad, o principal do Qatar, transportou 9,8 milhões de passageiros entre janeiro e março deste ano, e opera como um dos maiores hubs da região. Um hub é quando um aeroporto concentra um grande número de voos e serve como centro de distribuição de passageiros que passam pelo aeroporto com destino a outros países.

Em NOTAM internacional publicado hoje, firmaram uma proibição de sobrevoo da Qatar Airways e de aeronaves do Qatar nos seis países já citados acima. Então nenhuma aeronave com matrícula do Qatar poderá voar no espaço aéreo dos seis países citados.

 

EUA

Via – BBC/Reprodução

Os EUA forneceram apoio aos países que decidiram rescindir acordos com o Qatar, apesar de manter sua maior força militar do Oriente Médio na Base Aérea Al Udeid, que fica a 20 milhas de Doha, capital do Qatar. Já a Arábia Saudita tem uma das melhores Força Armadas do Oriente Médio, que só está abaixo das forças de Israel, o país combate o Estado Islâmico juntamente com os EUA.

Ainda de acordo com a BBC, o rompimento não é um conflito atual, apesar de súbito, dois fatores importantes levaram a decisão dos países: os laços de Qatar com os grupos terroristas e o papel do Irã, rival regional da Arábia Saudita. Enquanto isso o Qatar se juntou à coalizão dos EUA contra o IS, há suspeitas de que pessoas ricas do Qatar fizeram doações, além do governo ter fornecido dinheiro e armas para grupos islâmicos da Síria.

A decisão também pode ter resquícios da visita do presidente dos EUA na Arábia Saudita há duas semanas, em sua rápida passagem Donald Trump criticou a posição do Irã na região, acusando o país de gerar instabilidade na região do Oriente Médio, e também pediu a diminuição do terrorismo.

 

Via – BBC