A Raytheon anunciou hoje que estava se retirando do programa T-X Trainer da US Air Force, juntamente com a Leonardo. A Raytheon também não voltará para a competição do treinador avançado com outra empresa parceira e estará se retirando definitivamente.

O candidato anterior da joint-venture era uma aeronave Leonardo Aermacchi M-346, com diversos avanços para cumprir os requisitos dos Estados Unidos (USAF) na competição. O Aermacchi compõe atualmente as forças aéreas na Itália, Israel e Cingapura.

A Leonardo ainda pode retomar para a competição sem a participação de uma segunda empresa, porém manter uma empresa americana trabalhando conjuntamente com a italiana Leonardo é de extremo interesse dos Estados Unidos, visto que o contrato do programa T-X vale bilhões de dólares.

Novo treinador avançado da Boeing e Saab.

Atualmente a Boeing está concorrendo no programa T-X junto com a Saab AB, a empresa fabricante do Gripen NG, ambas tem bastante experiência na área militar e no desenvolvimento de aeronaves de caça. A Leonardo também poderia procurar outro parceiro nos EUA e lançar uma nova equipe, porém o contrato define que a empresa precisa apresentar uma aeronave ainda em 2017.

A Northrop Grumman também lançou seu novo Modelo 400, enquanto a Lockheed Martin/Korea Aerospace Industries ofereceram o treinador avançado T-50A, já existente. Essas empresas agora fazem frente ao projeto da Boeing juntamente com a Saab AB. A Saab lançou um vídeo promocional do T-X nas suas mídias sociais após a decisão da Raytheon.

O programa T-X será responsável por substituir pelo menos 420 aeronaves de treinamento Northrop T-38C. Só as 350 aeronaves do contrato inicial deverão custar até US$ 16,3 bilhões, a aeronave deverá estar disponível para testes ainda neste ano, e em total capacidade operacional no final de 2024.

COMPARTILHAR