A Saab apresenta as instalações da nova fábrica de aeroestruturas do caça Gripen: a Saab Aeronáutica Montagens (SAM), situada em uma área de aproximadamente 5 mil m² na cidade de São Bernardo do Campo, grande São Paulo. Este é mais um passo importante do Programa Gripen no Brasil.

“Estamos transferindo conhecimento e capacidade de produção de aeroestruturas complexas para o Brasil, cumprindo nosso acordo de offset. A fábrica já está se estruturando para fazer parte de uma cadeia global de suprimentos da Saab para os mercados de aviação civil e de defesa” explica Mikael Franzén, chefe da unidade de negócios Gripen Brasil, da área de negócios Aeronáuticos da Saab.

A SAM será responsável por produzir seis segmentos para os caças Gripen adquiridos pela Força Aérea Brasileira (FAB) como o cone de cauda, os freios aerodinâmicos, o caixão das asas, a fuselagem traseira e a fuselagem dianteira para a versão monoposto (um assento) e a versão biposto (dois assentos).

“Foi dado o início da montagem estrutural da fábrica. Já estamos implementando o escritório, contratando pessoas e fornecedores. Até 2020 toda a estrutura fabril estará montada para dar início às operações de fabricação dos componentes do Gripen” explica Marcelo Lima, diretor-geral da SAM.

O município de São Bernardo do Campo está estrategicamente bem localizado, no ponto de vista logístico, próximo do Porto de Santos, do Aeroporto Internacional de Guarulhos, de importantes rodovias e dos clusters aeronáuticos de São José dos Campos e de Gavião Peixoto, cidade que hospeda o Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (Gripen Design and Development Network – GDDN), onde será feita a montagem final das aeronaves.

“Nossa decisão de estabelecer a fábrica em São Bernardo é baseada em aspectos de negócios que levam em conta nossas necessidades e o que a cidade pode oferecer ao projeto Gripen” complementa Marcelo Lima. Além disso, a região é conhecida pela qualidade de sua força de trabalho fabril devido à indústria automotiva estabelecida.

Foto – Força Aérea Brasileira

A SAM vai começar as operações em 2020 com 55 funcionários, entre engenheiros e técnicos, que serão capacitados em Linköping, na Suécia, por até 24 meses a fim de receber todo o treinamento necessário para o processo de industrialização, qualificação e montagem de fuselagens complexas, específicas para a produção de um caça supersônico no Brasil.

“Os novos empregos gerados na fábrica serão altamente qualificados para executar processos em estruturas complexas de fuselagem, tanto metálicas quanto em compósitos, impulsionando o nosso programa de transferência de tecnologia. Ao final desse projeto, teremos somado mais de 84 mil de horas de treinamento apenas para os funcionários da SAM” acrescenta Marcelo Lima.

Até 2024, a SAM estará com cerca de 200 funcionários extremamente capacitados, produzindo as aeroestruturas que serão fornecidas para a montagem final dos caças.

 

Parceria com a Akaer

A estrutura financeira da fábrica será composta por um sócio majoritário, a Saab AB (90%) e um parceiro minoritário, a Akaer (10%), empresa de engenharia especializada no desenvolvimento de aeroestruturas, já parceira da Saab no desenvolvimento dos caças desde 2009, quando foi contratada para desenvolver o projeto de segmentos da fuselagem do Gripen.

Ao mesmo tempo que a Akaer adquire 10% da SAM, a Saab aumenta a participação na Akaer de 25% para 28%, em uma operação de troca de ações.
No primeiro investimento, em 2012, a Saab adquiriu 15% da empresa. Em 2017, outros 10%. Agora aumenta a participação em mais 3%.

“A parceria com a Akaer começou mesmo antes da seleção da Saab pela FAB. Desde 2009 a Akaer já trabalhou mais de meio milhão de horas para o Programa Gripen. O trabalho começou com o desenvolvimento de partes estruturais e engenharia, agora passa a atuar também na área de manufatura”, disse Mikael Franzén.

“A atuação da Akaer na SAM fortalece esta parceria sólida de longo prazo com a Saab e segue em linha com a nossa estratégia de crescimento e diversificação de negócios”, disse Cesar Augusto Texeira Andrade e Silva, presidente e CEO da Akaer.

Nesses 32 meses de Programa Gripen no Brasil, a Saab, juntamente com seus parceiros industriais e a FAB, contribui com o desenvolvimento da Indústria de Defesa no Brasil e ajuda a gerar novas oportunidades de empregos qualificados, inclusive para a região de São Bernardo do Campo, que também ganha benefícios adicionais e receitas para a cidade.

 

Fatos sobre o programa de transferência de tecnologia

Em 27 de outubro de 2014, a Saab anunciou a conclusão do contrato com o governo federal brasileiro para o desenvolvimento e produção de 36 caças Gripen. O contrato entrou em vigor em setembro de 2015 quando todas as condições solicitadas foram cumpridas. As entregas para a Força Aérea Brasileira serão realizadas entre 2019 e 2024.

O Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN) foi inaugurado em novembro de 2016, em Gavião Peixoto, estado de São Paulo. O GDDN é o hub de desenvolvimento tecnológico do Gripen no Brasil para a Saab e a Embraer, junto às empresas e instituições parceiras.

O programa de transferência de tecnologia para o Brasil inclui quatro áreas que vão fornecer à indústria aeroespacial brasileira a tecnologia e o conhecimento necessários para manter e desenvolver o Gripen no Brasil:

• Treinamento teórico
• Programas de Pesquisa e Tecnologia
• Treinamento on-the-job na Suécia
• Desenvolvimento e produção

Hoje, cerca de 25 engenheiros brasileiros de empresas parceiras estão sendo treinados nas instalações da Saab, na Suécia, e mais de 140 profissionais já retornaram ao Brasil. A maioria deles está trabalhando no desenvolvimento da aeronave no GDDN.

Até 2024, mais de 350 profissionais brasileiros, entre engenheiros, operadores, técnicos e pilotos das empresas parceiras da Saab e da Força Aérea Brasileira participarão de cursos e treinamento on-the-job na Suécia. Habilidades e conhecimentos serão adquiridos pela indústria brasileira, possibilitando um extenso trabalho de desenvolvimento e produção do Gripen, incluindo a montagem final de aeronaves no Brasil. O programa de transferência de tecnologia é composto por mais de 50 projetos-chave, com duração de até 24 meses.

 

Via – Saab

This post is available in: pt-brPortuguês