A SkyWest, uma companhia aérea regional dos EUA, recebeu nesta semana o primeiro E175-SC, uma versão do jato regional da Embraer com 70 assentos, ao invés dos típicos 76 assentos.

Esse também é o primeiro avião dessa versão entregue pela Embraer, não do E175, mas do E175-SC. A aeronave vai operar através da bandeira da Delta.



A SkyWest tem mais 14 encomendas para esse tipo de aeronave, que até o momento tem somente essa companhia como cliente. No seu Twitter a SkyWest disse que receberá 42 E175 em 2018.

No geral o E175 configurado com 70 assentos usa a mesma fuselagem e melhorias do E175, incluindo as novas winglets. A diminuição de assentos é obtida através de um novo arranjo interno das duas classes, tipicamente o E175 normal pode transportar até 76 passageiros em uma configuração padrão da Embraer em duas classes, ou até 88 em configuração de alta densidade.

Mas a Embraer relatou que as companhias podem solicitar um E175-SC com 76 assentos, com penalização para a classe econômica, enquanto os assentos de primeira classe ganham 5 cm a mais em relação ao CRJ 700.

As melhorias incorporadas pela Embraer no E175, através de um pacote nomeado como “Economy pack”, é possível obter um consumo até 5,5% menor por voo, isso em comparação com o primeiro E175 fabricado, o problema das companhias americanas é que a maioria das suas aeronaves não têm essas atualizações.

A importância do E175-SC está na “cláusula de escopo” do regimento de aviação regional dos EUA. Nessa situação as companhias veem de modo diferente as aeronaves de 70 assentos e as de 76 assentos, visto que elas são regidas de forma diferente de acordo com a lei.

A limitação é, basicamente há um limite de aeronaves de cada categoria que uma companhia aérea regional, como a SkyWest, pode operar usando o nome da principal, no caso da Delta.

A Embraer acumula vendas de mais de 380 jatos E175 para companhias aéreas na América do Norte desde janeiro de 2013, o que representa mais de 80% de todos os pedidos na categoria de jatos até 76 assentos.

Esse é um mercado importante para a Embraer, a fabricante brasileira chegou a adiar o projeto do E175-E2 por indefinições dos EUA sobre o incentivo para voos regionais. As companhias aéreas americanas e canadenses operam cerca de 340 aeronaves na categoria de 70 lugares, incluindo 280 aviões da linha CRJ700 e cerca de 60 da linha E170.