Na semana passada a NASA testou o modo de como a cápsula Orion irá pousar no seu retorno para a Terra, o chamado “Teste de Impacto” ajuda a NASA na avaliação do comportamento de pouso e ainda prevê eventuais acidentes em uma situação tão crítica.

A cápsula de teste, com o formato original e o escudo de calor, foi lançada no tanque de testes da NASA através de um pêndulo, que estava situado a uma altura de 6,1 m. O pêndulo é bastante importante para simular o comportamento da cápsula em diversas situações, tais como o manejo do vento na hora do pouso e o comportamento do paraquedas na descida.

Dentro da cápsula estavam dois manequins, um representando uma mulher de 48 kg e o outro um homem de 100 kg, todos estavam equipados com sensores. Estes sensores fornecerão dados críticos para ajudar a NASA no âmbito de entender as forças que atuam nos membros da tripulação na hora do pouso.

Esse foi o 9º teste de pouso realizado pela cápsula Orion, uma série de testes realizados anteriormente coletaram dados sobre um pouso sem acionamento de paraquedas, o que faria a Orion pousar em uma velocidade maior do que a desejada e sem direção correta. Em condições ideais a cápsula deve pousar com uma velocidade de 35 km/h e um impacto lateral para dissipar melhor a energia durante o pouso.

A Orion faz parte de um novo programa de desenvolvimento da NASA com propósito de levar astronautas para o Espaço Profundo, como outros planetas (Marte), asteroides ou Luas. Seu lançamento será através de um novo sistema, chamado de SLS, que é totalmente modular e se ajusta de acordo com o objetivo da missão.

 

COMPARTILHAR