O que fazer com caças antigos?

A Textron Airborne Solutions adquiriu recentemente uma grande quantidade de caças Dassault Mirage F1, mais especificamente 63 unidades deles, além disso a empresa comprou equipamentos de manutenção e suporte além de 150 motores remanescentes. Uma boa quantidade.



Mas isso tudo tem uma finalidade, usar os caças para serviços de treinamento na Força Aérea dos Estados Unidos. Logicamente se a Textron ganhar o concurso da Força Aérea Americana esses caças serão modernizados com a melhor tecnologia disponível e receberão reformas em sua estrutura, que aguentará mais alguns bons anos de serviço.

“A Textron está planejando modernizar os F1s com sistemas modernos de aviônica, como recursos de interferência de memória de radiofrequência digital e radares atualizados, disse Parker.” Nos requisitos que estamos vendo a Força Aérea descreve claramente um radar moderno como o AESA”.

Mais curioso do que uma empresa adquirir 63 caças, é a USAF aceitar usar um modelo francês em sua frota, visto que os EUA têm um imenso histórico de bons caças produzidos. E não estamos desmerecendo o F1.

No final eles vão compor o prêmio ADAIR da USAF, que pagará US$ 7,5 bilhões por ano em um contrato que valerá por 10 anos, ao todo a empresa precisará fornecer 150 aeronaves de treinamento para a USAF, esses aviões acumularão 37 mil horas de voo ao longo desses anos. As principais missões da “Red Flag” serão realizadas em Nellis, Nevada (EUA)

O caça ainda vai compor o 57th Wing weapons school, que até pouco tempo usava aviões F-15. A decisão final pela utilização dos caças deve sair até o final de janeiro de 2018, já a assinatura e posse dos caças ocorrerá em 2019.

Novo treinador avançado da Boeing e Saab.

Esse caça será utilizado no período em que a Força Aérea dos EUA espera pela escolha do vencedor no programa T-X, e também no período mínimo para os testes e certificação do novo treinador, a Certificação de Capacidade Inicial (COI) do T-X produzido pela Boeing e Saab está marcada para 2024, e as outras empresas seguem quase o mesmo cronograma.

A partir de 2024 a produção em série inicia-se, mas o consórcio vencedor terá que fabricar 350 novas aeronaves, que também substituirão os T-38C da USAF, além dos velhos caças que hoje são utilizados para treinamento.

 

O Dassault Mirage F1

O Mirage F1 é um caça fabricado para ser o sucessor do então Mirage III (Caça utilizado pela FAB entre 1975 a 2005). Foi aposentado pela Força Aérea Francesa em 2014, mas ainda é ativo em outros países como o Líbano e o Irã.

Existe mais de uma versão do caça francês, cada uma com sua característica específica, destacando o Mirage F1B (Biplace para o treinamento de pilotos) e a versão de F-1CR (Para missões de reconhecimento). 

Em vários conflitos que o Mirage F1 participou destaca-se a Guerra entre o Irã e o Iraque em 1990. O que torna interessante foram os dogfights do caça francês com o clássico F-14 Tomcat da Força Aérea Iraniana.