Acidente Indonésia Sriwijaya Air Boeing 737
Foto: JetPhotos - Panji Anggero

Como resultado das investigações sobre o acidente com um 737-500 da Sriwijaya Air, a FAA lançou novas recomendações para aviões da série Classic.

Em informações preliminares no acidente os investigadores descobriram que houve uma assimetria entre as manetes durante a decolagem do Boeing 737. Os investigadores revelaram que no momento que a aeronave alcançava a altitude de 8.150 pés, a manete esquerda voltava para a posição idle enquanto a direita permaneceu em potência alta. 

A diretriz de aeronavegabilidade da FAA solicitou para os operações do 737 Classic uma verificação, e possível correção, no cabeamento responsável por enviar dados da posição da alavanca de Flap para os computadores da aeronave.

A falha no cabeamento não é automaticamente identificada pelo computador da aeronave, visto que apenas o sinal é alterado, logo, as verificações e correções são de extrema importância para a segurança dos voos. Além disso, esses dados do sensor também são essenciais para o funcionamento de uma atualização implementada em 2001, abrangendo o monitor de impulso assimétrico do autothrottle.

Esse sistema tem influência nos comandos do computador da aeronave no sistema de autothrottle da aeronave, de acordo com a FAA e a Boeing. A agência regulamentadora está solicitando que esse sistema seja verificado nos aviões 737 Classic (-300/400/500) nas próximas 250 horas de voo.

Adicionalmente um teste no sistema de autothrottle deverá ser realizado pelos mecânicos a cada 2000 horas de voo da aeronave. A função desse testes é verificar se o sistema de autothrottle continua enviando dados corretos e funcionando de acordo com o especificado.

Mais de 770 aeronaves da versão 737 Classic estão em operação atualmente, sendo 143 somente nos Estados Unidos.

Essa correção não afeta as aeronaves 737 Original (-100/200), 737 NG (600/700/800/900) e 737 MAX. Essas aeronaves utilizam outro sistema de autothrottle.