Ações da Boeing caem mais de 12%, em dia com vários problemas na empresa

Boeing
Foto - Boeing

(Reuters) As ações da Boeing caíram mais de 12% nesta segunda-feira (09/03), devido à pressão do coronavírus, que causou quedas em bolsas de valores de todo o planeta, e também devido à recusa da Boeing de pagar multas referentes aos erros cometidos pela empresa na parte de fiação do 737 MAX.

Além desses detalhes, os pesquisadores etíopes destacaram os sistemas 737 MAX defeituosos em um novo relatório provisório sobre o acidente do ano passado, o segundo de dois acidentes fatais que mergulharam a Boeing em sua pior crise de todos os tempos.

Fontes do setor disseram que as companhias aéreas, enfrentando uma queda acentuada na demanda de viagens devido ao aumento de surtos de coronavírus, estavam começando a solicitar adiamento de entregas de aeronaves para a Boeing e a Airbus. Sem entregar 

As ações da Boeing caíram para US$ 229,12 nas negociações da tarde, um nível não observado desde 2017. Para ter noção, no dia 12 de dezembro de 2019 as ações da Boeing estavam sendo negociadas a US$ 328.

Acrescentando uma sensação de crescente ansiedade, o novo CEO da Boeing, Dave Calhoun, foi forçado a se desculpar com a equipe sênior após um raro ataque à sua antecessora e à liderança da empresa, que, segundo fontes, provocaram críticas de dentro das fileiras seniores da empresa.

Calhoun, que assumiu o cargo de CEO em janeiro, depois de servir cerca de uma década no conselho da Boeing, disse à equipe sênior por e-mail na sexta-feira que estava “envergonhado e arrependido” por seus comentários em uma entrevista do New York Times no início da semana.

“Isso sugere que eu quebrei minha promessa ao ex-CEO Dennis Muilenburg, à equipe executiva e ao nosso pessoal de que eu teria as ‘costas’ quando fosse o mais importante”, disse Calhoun. “Quero garantir que minha promessa permanece intacta.”


737 MAX voltou aos centros das atenções. Foto – Divulgação

O e-mail de Calhoun veio quando a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) disse à Boeing na sexta-feira que não concordava com o argumento da fabricante de aviões de que a fiação do 737 MAX atendiam aos padrões de segurança. No entanto, a FAA disse que agora cabia à Boeing decidir como proceder.

Separadamente, a Boeing disse que um funcionário em sua instalação de Everett, no estado de Washington, foi colocado em quarentena após testar positivo para o coronavírus.

 

Cabos Do Sistema Elétrico

Em fevereiro, a Boeing disse que não acreditava que era necessário separar ou mover pacotes de fiação em seu 737 MAX, algo que os reguladores alertaram que poderiam causar um curto-circuito no 737 MAX e causar um acidente caso os pilotos não reagissem logo.

Existem mais de uma dúzia de pontos diferentes no 737 MAX onde os fios podem estar muito próximos. A maioria dos locais ficam embaixo do cockpit, em um compartimento elétrico.

A Boeing observou em conversas com a FAA que seu 737 NG tem os mesmos projetos de fiação e está em serviço desde 1997, registrando 205 milhões de horas de voo sem problemas.

Um funcionário da empresa disse à Reuters em janeiro que a Boeing estava trabalhando em um projeto que separaria os dutos de fiação, se necessário. Porém,essa atualização pode causar atrasos adicionais no retorno do MAX aos voos comerciais. No momento, não é esperado um voo de teste de certificação até abril ou mais tarde.

 

DEIXE UMA RESPOSTA