Ações das companhias aéreas brasileiras fecham em forte queda, após dia complicado

Nesta segunda-feira (16) as ações das companhias aéreas brasileiras fecharam com uma queda acentuada, em um dia em que o mercado agiu da mesma forma, devido ao temor mundial relacionado ao Coronavírus.

Com anúncio de corte de voos e de mais restrições nas viagens aéreas fizeram as ações recuarem forte ao longo do dia.

Confira:

  • AZUL PN fechou em queda de 36,87%, a 15,60 reais, mínima histórica, equivalente a uma perda de valor de mercado de 3 bilhões de reais, para 5,138 bilhões de reais. Os papéis seguem afetados pelos efeitos da pandemia do coronavírus, além da valorização do dólar para acima de 5 reais nesta sessão. A Azul anunciou uma série de medidas, entre elas a redução de sua capacidade consolidada de 20% a 25% no mês de março, e entre 35% a 50% em abril e meses seguintes, até que a situação se normalize. Também comunicou suspensão dos voos internacionais, exceto os que partem de Campinas (SP).
  • GOL PN caiu 28,02%, a 8,02 reais, mínima desde julho de 2017 e equivalente a uma perda de valor de mercado de 856,6 milhões de reais, para 2,2 bilhões de reais. O papel também segue afetado pelos desdobramentos ligados à pandemia do coronavírus e comportamento da taxa de câmbio. Na sexta-feira à noite, a aérea anunciou o cancelamento da proposta de reorganização societária de seu negócio de programa de fidelidade SMILES, que terminou a sessão em baixa de 28,2%.
  • CVC BRASIL ON recuou 32,25%, a 10,40 reais, mínima desde fevereiro de 2016, com o setor de viagens como um todo afetado pela evolução do coronavírus, com países fechando fronteiras e companhias aéreas reduzindo capacidade e suspendendo voos. O dólar acima de 5 reais também pesou. A operadora de turismo perdeu 739 milhões de reais em valor de mercado nesta sessão, para 1,55 bilhão de reais.

 

Via – Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA